quinta-feira, 13 de maio de 2021

Split book do REI da BD PORTUGUESA ... últimos 50 exemplares!!!

 


Apesar de não estar, estou muito / DJ Nobita Early Years 2002

Só 200 exemplares deste livro foram para o mercado livreiro, restando só já 50 exemplares - podem adquirir na nossa loja em linha, BdMania, Kingpin Books, Linha de Sombra, Matéria Prima, Mundo FantasmaSenhora PresidenteSnobTigre de PapelTinta nos Nervos e Utopia. E na Quimby's (Chicago).


Edição da Galeria Municipal do Porto, copublicado com a Chili Com Carne, projecto editorial de Diogo Jesus e João Ribas com textos de Guilherme Blanc, João Ribas com Diogo Jesus e Marcos Farrajota.
 
16x22cm 266p a cores, catálogo relativo à exposição homónima + compilação dos 5 números do zine DJ Nobita Early Years 2002
 
Sim, o Rudolfo afinal chama-se Diogo Jesus!!
 
Este livro foi publicado no âmbito da exposição Diogo Jesus: Apesar de não estar, estou muito, com curadoria de João Ribas, apresentada na Galeria Municipal do Porto entre 2 de junho e 16 de agosto de 2020. É um split book, sendo que a frente e o verso servem como capas de duas partes independentes do livro. Um lado é composto por textos, por uma série de digitalizações de obras individuais de Diogo Jesus e pela documentação fotográfica da exposição; o outro lado reúne vários zines desenhados pelo artista, entre outubro de 2019 e julho de 2020, em diferentes diários.




Desde os seus primeiros trabalhos de música e banda desenhada de produção independente até aos seus projetos recentes como DJ Nobita e Gekiga Warlord, os desenhos, objetos, vídeos, ephemera e materiais de arquivo apresentados dão-nos um panorama da obra de um artista prolífico, que desde 2007 se move entre géneros e entre comunidades. O que une a maioria destes trabalhos é um impulso narrativo e uma dimensão subcultural e autobiográfica, assim como as suas ironias, que evidenciam tanto um humor sarcástico como uma honestidade desarmante. O elenco rotativo de amigos, artistas, heterónimos, figuras ficcionais apropriadas e léxico de subculturas presentes nos desenhos oferecem um comentário recorrente sobre questões de criatividade, masculinidade, obsessões pessoais, a cultura dos videojogos, a cultura do ‘do it yourself’, a precariedade e as condições de produção de arte. – João Ribas





FEEDBACK

exciting, experimental recent release (...) Zine wildman Diogo Jesus's two-books-in-one combines an exhibition catalogue of his comics, many in English, with his 2019-20 'Doraemon'-inspired zines, DJ Nobita Early Years 2002. - Paul Gravett no FB

Oh-oh, Rudolfo anda a fazer música à séria!

quarta-feira, 12 de maio de 2021

o REgresso da NECROmancia EDITOrial




A Chili Com Carne e os Discos de Platão vai regressar com o seu Mercado de Edições Independentes NECROMANCIA EDITORIAL, cuja última edição foi no Milhões de Festa de 2018!!

Mantemo-nos no Norte e assim sendo no Sábado de dia 5 de Junho estaremos no ESTALO!, um evento em Guimarães que inclui exposição, filmes e concertos. 

O horário será entre as 11h e as 19h. 

Já estão confirmados os seguintes editores: Associação Chili Com Carne + MMMNNNRRRG (2000-20), Atelier Arara + Favela + Fojo + Gabinete Paratextual + O Gorila + Sonoscopia (a confirmar), Bestiário, Discos de Platão + Sarna, Erva Daninha + Massacre, Imprensa Canalha, Palpable Press e Rodolfo Mariano.

Procuramos mais editores para se juntarem ao mercado, sendo que - e isto é importante: a ideia deste mercado é que seja focado mesmo em edições de zines, revistas, livros, k7s ou discos, e menos noutro tipo de materiais (como posters, pins, autocolantes, prints, t-shirts). 

Percebemos a necessidade dos artistas se expressarem e/ou rentabilizarem o seu trabalho noutros suportes mas temos sentido que é preciso que os eventos ditos de "edição independente" que difundam o que se propõe, a edição per se

Sem querermos ser a "ASAE da Edição" e não querendo proibir de todo outros objectos, gostaríamos de ver nas vossas mesas uma MAIORIA bem visivel de edições, não impendido isto que outros objectos também estejam presentes mas que não se sobreponham em relação ao resto.

Haverá também uma mesa gerida entre a Chili e a Discos de Platão para editores de poucos títulos, não será pedida comissão sobre as vendas, só nos tem de enviar as vossas edições (no máximo 3 exemplares  por título) e as devoluções serão feitas por nós.

Contactem-nos por email, sff - ccc at chilicomcarne . com

Mesa de títulos vários: Swallow the Universe de João Caridade,...


Novidades editoriais:

- Fosso #1 (Imprensa Canalha), de José Feitor
- M.A.L. vol. 000, de Rodolfo Mariano
- Mesinha de Cabeceira #30 (Chili Com Carne), de Alexandra Saldanha - a confirmar
- Pentagrama #0 (Mãotanha Livros), de Rodolfo Mariano
- Querosene (Chili Com Carne), v/a
- Tumulto (Imprensa Canalha), de José feitor

It's you / últimos 4 baralhos!!!!!!!!!



Cartas de oráculo ilustradas 
de 

A artista Amanda Baeza (do livro Bruma) criou uma galeria de 85 retratos a partir de imagens encontradas na Internet, celebrando a diversidade humana e uma miríade de acções e sentimentos.

Com um esquema compositivo e cromático próximo do clássico Tarot de Marselha, essas imagens foram agora transformadas num baralho oracular, pronto a ser empregue de forma livre pelos seus utilizadores. 

It's You é uma co-edição da autora, Chili Com Carne e Kuš!

Pode ser adquiridas na nossa loja em linha ou na Tinta nos Nervos, BdMania, Vida Portuguesa, STET, Tasca Mastai, Fábrica Features e Big Brobot (Berlim)

Historial:

Lançado no dia 18 de Janeiro de 2020 na Tinta nos Nervos com apresentação e conversa com a autora e a artista Patrícia Barbosa - com quem co-organizamos as Fantasias de Natal em 2003!!





El tarot de Amanda es muy bonito. Ahora ando pensando en hacer tarots, pero de manera virtual, jajaja.
Martin López Lam por email

(...) o tarot, magnífico, Amanda Baeza é grande!
Max (Peter Pank, Bardin, Vapor) por email

terça-feira, 11 de maio de 2021

A Fábrica de Erisicton // últimos 20 exemplares!!

 


O fanzine Mesinha de Cabeceira voltou numa onda de "back to the basics" após cinco anos de ausência. Este retorno às origens humildes de uma tiragem baixa de 100 exemplares, como fanzine / zine / perzine (riscar o que não interessa), tal como em 1992 (ano do primeiro número) tem a razão de ser para dar voz a autores desconhecidos / novos / fora de qualquer radar (riscar o que não interessa).

Começamos com A Fábrica de Erisicton de André Ferreira que é uma BD eco-psicadélica inesperada sobre a destruição do Alentejo pelas culturas super-intensivas que se praticam. O grafismo é tão naíf como visionário, com poucos sítios para segurarmo-nos se não fosse o facto da mensagem ser tão desesperante. O aviso já pouco serve, o Destino está traçado, como se vê nestes anos estranhos que vivemos, em que nada mudou em termos de atitude ecológica, a borregada quer é viajar e poluir. 

Resta-nos estes pedaços de arte colorida e imaginativa em singelas 24 páginas. 
Obrigado André!



Mesinha de Cabeceira #29, edição da Chili Com Carne, Abril 2021, 24p a cores 18x25 cm, capa a cores, 100 20 exemplares.



distribuição limitada à loja em linha da Chili Com Carne e ainda na Kingpin Books, Linha de Sombra, Neat Records, Snob, Tigre de Papel, Tinta nos Nervos e na ZDB.



sobre o autor: faz música sob o nome de Goran Titol - que poderá participar este ano numa colectânea da nossa série Música Portuguesa a Melhora-se Dela Própria -  animação em técnica de "stop-motion" com ajuda na Mãe Natureza e é autor da BD tendo participado na antologia Venham +5 e com o livro a solo Ouro Formigas (2013), ambos publicados pela Bedeteca de Beja.


 FEEDBACK: 

Panfleto libelo anti-destruição da natureza em nosso torno, disfarçado de reconto mitográfico psicadélico (...), breve passeio alucinado que deveria antes servir de guia para redescoberta da nossa paisagem e manual de instruções para a sua recuperação... segundo a Tinta Nos Nervos


Entrevista no P3 / Público

segunda-feira, 10 de maio de 2021

Será a caneta mais poderosa do que a espada?

 


A edição portuguesa do Monde Diplomatique tem publicado, sob a nossa coordenação, as respostas em Banda Desenhada por uma série de artistas. Este mês é a vez de Alexandra Saldanha, que faz parte da banda Unsafe Space Garden, e que prepara um número do Mesinha de Cabeceira a sair para o Festival Estalo em Junho.

Um país / 8 distritos / 10 concelhos / 11 freguesias, um porradão de santos padroeiros... TUDO PARA A FOGUEIRA!




Quando não há nada para fazer, acende-se um fósforo.

Na terrinha, o aborrecimento combate-se com fogo e só há uma forma eficaz de matar o tempo: de uma vez por todas.

Este livro é um guia para lidar com os sítios onde nada acontece: partindo da canção dos Big Black e levando à letra a sugestão da banda, partilham-se testemunhos de quem, tendo vivido a indolência das pequenas cidades, vilas e aldeias de Portugal, deu consigo a ponderar as possibilidades da piromania. Seja sobre a arquitectura pavorosa ou as gentes beatas que nela habitam, as histórias aqui reunidas documentam as frustrações e ansiedades de quem não cresceu no bulício do Porto ou de Lisboa e, sentindo a falta da animação das metrópoles, viu na fogueira a única cura para a letargia.

Na colecção LowCCCost, para quem gosta de "viajar sem apanhar transportes e gastar dinheiro", já se deram muitas voltas: do aborrecimento da Europa à Guiné-Bissau, passando por um convento de monges silenciosos em Évora ou pela Ilha de Príncipe aquando do eclipse de 1919. Tal como os outros títulos desta colecção, não estamos perante um guia de turismo bacoco: Querosene, tal como os volumes no passado — Zona de Desconforto (Melhor Livro de BD de 2014) e Lisboa é very very Typical —, junta autores, ora amadores, ora consagrados, que se abrem na intimidade sempre desconfortável da autobiografia. Na soma desta transmissão de estados de espírito individuais, fica a saber-se mais sobre o país do que através dos dados do INE: os resultados, talvez sem supresa, deixam dúvidas sobre a laicidade das gentes ou sobre o futuro da população jovem.

capa de André Pereira


Incendiários identificados:

Ana Margarida Matos, André Pereira, Cláudia Sofia, Dois Vês, Eva Filipe, Gonçalo Duarte, Joana ToméJoão Carola, Rodolfo Mariano, Rui MouraSofia Neto.

No prelo!

quarta-feira, 5 de maio de 2021

Parícutin - boa resenha no SOLRAD


O primeiro romance gráfico de Gonçalo Duarte 

21º volume da Colecção CCC
Publicado pela Associação Chili Com Carne

Legendas em inglês traduzidas por Manuel João Neto
ISBN: 978-989-8363-42-8
500 exemplares

Gonçalo Duarte (1990, Setúbal) é guitarrista em Equations e Live Low, impressor em serigrafia na Oficina Loba e autor de banda desenhada, que desde 2010 participa em antologias da Chili Com Carne, a saber Destruição ou BDs sobre como foi horrível viver entre 2001 e 2010Futuro PrimitivoViagem de Estudo ao Milhões 2017 e Pentângulo.

No meio desta hiper-actividade, eis o seu primeiro livro a solo! 

Não admira que se sinta nesta obra uma vibração eléctrica, nervosa e onírica, uma leitura universal que nos conta como o espírito individual sai sempre quebrado quando se questiona o urbanismo e a vivência comunitária no século XXI.

à venda na loja em linha da Chili Com Carne, BdMania, Kingpin Books, Linha de Sombra, Matéria Prima, Mundo Fantasma, STET, Tigre de Papel, Tinta nos Nervos, Utopia, Vida Portuguesa, Tasca Mastai, SnobUniversal Tongue, Fábrica Features...

BUY at Quimby's (Chicago)


Historial:

Festa de Lançamento nos Anjos 7023 de Janeiro 2020, com Ricardo Martins, Simão Simões unDJ MMMNNNRRRG ...


Feedback:

Loved Paracutin
pStan Batcow (Pumf) by email

(...) Sem nunca se revelar como programático, e muito menos panfletário ou articulado, o livro traz para a linha da frente as pequenas mas significativas tensões que advém em toda uma jovem geração a confrontar-se com um tecido de empregos precários, dificuldades económicas cada vez mais complexas no que diz respeito à ocupação do espaço, ao direito à habitação, mas igualmente a como se constituem verdadeiras redes de co-habitação, cooperação, e comunidade. De resto, temas que são recorrentes no trabalho de Duarte, de forma mais directa ou mais poética. (...)

really enjoy his work, very nice drawings and also the story is great. Bonus the strong colors for the cover, great work! 
 D.S. by email

É preciso mostrar obra daqueles que resistem ao egoísmo e às ditaduras tribais.
T.M.


Parícutin é uma preciosa banda desenhada que nos fala das dificuldade e dilemas do que é edificar projectos em conjunto, casas que todos possamos partilhar. Contra a desilusão e o desencanto.
José Marmeleira in Público

(...) Duarte cria uma acutilante corrente de consciência visual e narrativa que coloca no movimento de deambulação do pensamento o eixo dos acontecimentos, por vezes aproximando-se de um registo onírico. outras vezes de um delicado delírio em vigília com visitas abruptas ao inconsciente. 
**** (4 estrelas)
Sara Figueiredo in Expresso

(...) É uma sequência belíssima e generosa, capaz de irritar qualquer aspirante a artista que, conhecendo pessoalmente o Gonçalo Duarte, se lembre, após a leitura do livro, que ele provavelmente desenhou esta cena em meia hora, sem esforço e sem comprometer a qualidade da poesia.
André Pereira in A Batalha

(...) fui logo conquistado nestas deambulações sobre o urbanismo e a vida em comunidade. É um tema muito actual, que nos tem tocado cada vez mais graças a gentrificação da capital. Gonçalo fá-lo bem, acabamos a leitura e o livro fica connosco. Isso é sempre bom sinal. 

exciting, experimental recent release (...) Gonçalo Duarte's Parícutin is his first solo book, named after its location in Mexico, to explore tensions between the individual and community in urban life.
Paul Gravett in FB

It’s not every day that one comes across a work that is both incredibly straightforward and staggeringly interpretive at the same time (...) the bulk of this text centers around an unnamed protagonist, who would appear to bear certain hallmarks of being an authorial doppelganger, constructing a home with his own hands and setting into motion a chain of events that are, more than anything, a convenient excuse for a wide-ranging polemical dissertation on subjects ranging from displacement to the ethics of land use to the precarious nature of the so-called “gig economy” to intentionally-shared living spaces. To call it generationally specific would be to sell it all a bit short, but the issues addressed are, generally speaking, of extra import to the millennial and post-millennial set.