sexta-feira, 19 de março de 2021

Artista visual prepara BD biográfica com pandemia em fundo


 

Lusa dixit. Os outros repetem. A vencedora dos 500 paus deste ano trabalha. Siga!

4real (escrito à lámina num braço de um guitarrista de rock xunga dos anos 90)


Parece que estou "condenado" a escrever sobre o Rudolfo mais 10 anos, dissipando assim a minha dúvida existencial no catálogo do ano passado. É que ao contrário de fenómenos estranhos cá na 'tuga, este artista não desistiu da BD e voltou algumas décadas depois em pose messiânica, ei-lo a continuar, na labuta com a qualidade de sempre. Jungle Warfare 1/2 (Palpable Press; Fev'21) não engana, é mais uma aventura de Musclechoo, ou seja, "Pikachoo-Rambo" homoerótico em porrada de meia-noite com o tema de fundo os vídeojogos fazendo interface com a realidade, e com um vilão-bué-da-xunga, bastard! Graficamente em grande forma, espera-se pelo segundo volume para fechar esta resenha e poder continuar a minha vidinha com o aval do omnipotente Rei da BD Portuguesa.

sexta-feira, 12 de março de 2021

DEIXA-ME DOrMir / Ser aceite pela FLUR é outra merda!

Jorge Calma é um fura-vidas, como aliás, qualquer músico em Portugal. Numa embalagem feita de bases de copos, o design profissional desta edição invoca a dificuldade dos nossos dias covideiros em que vida não está nada fácil. Mas não foi sempre assim? A prostituição de profissão é tal que se implorou por trocos dos bancos ou das cervejeiras, um apoiozito vendendo a imagem num outdoor ou fazendo um "product placement" em palco ou nas edições, enfim, um gajo tem de se desenrascar, né?

A Chili Com Carne e Rotten Fresh lançam gloriosamente este mini-disc no Carnaval mais calmo desde que o porco nazareno foi vomitado de uma virgem há 2020 anos atrás. Sem amigos, sem festa brava, o que nos resta é DEIXA-ME DOrMIr... Gravado pelo músico num subúrbio. A capa é da autoria de Simão Simões.

Eis o segundo volume da série Música Portuguesa a Melhorar-se dela Própria. Edição limitada a 30 cópias, teve o apoio material da Tasca dos Canários e do Walt Thisney. Lançado a 16 de Fevereiro 2021.


Feedback: 

Adormeci a meio. É mais eficiente que Xanax 

Ondina Pires (via email)

xxx

(...) (em Mini CD, cuja capa serve como base para copos e cuja editora recomenda acompanhar com uma boa cerveja ou whiskey) (...) Jorge Calma é o nome escolhido pelo misterioso músico e, como as boas mentes criativas ditam, é apreciador de trocadilhos, já que Jorge Calma parece mesmo invocar a música do quase homónimo, descendo o pitch da mesma e relembrando a época nos vídeos do YouTube onde facilmente se encontravam músicas de artistas Pop "200% mais lentas", que soavam mais a um disco de música ambiental do que a eles próprios. Deixa-me Dormir é uma peça de 20 minutos que tem tanto de fantasmagórica como tem de ébria: a voz que se ouve é arrastada, lenta, e alude tanto aos screws de DJ Screw como a uma ideia do próprio Jorge Palma perdido numa qualquer noite em Lisboa. Exagerado - no bom sentido - no reverb, a peça continua como quem deambula sozinho pelas ruas à procura de se encontrar. Pelo meio ouvem-se gaivotas, quase um sinal de como o dia está prestes a renascer e nós, como ouvintes, continuamos perdidos sem destino à vista. Dado o humor todo à volta da edição, de facto esperar-se-ia uma composição menos séria, porque a música que aqui se encontra é bonita, bem estruturada e pensada, com as cadências certas (o sub-grave que Jorge Calma coloca pelo meio do tema é arrebatador). (...)

Flur

xxx

quarta-feira, 10 de março de 2021

Isola-te com mesas (de mistura)


Não me lembro se no Maldoror há alguma referência a pianos destruídos - será que Syncope conhece Raphael Montañez Ortiz? É que entre ter um orçamento para foder um piano inteiro ou ter de usar samplers de Dissecting Table feito pobretanas há uma grande diferença. Embora não consigo deixar de achar que todo o "glitchcore" deste CorteXtureS (Meditation / UPD; 2020) soe a pianos a explodirem ou a caírem do sétimo andar - qual desenho animado da Warner Bros. A dada altura a fórmula da "explosão" repete-se e deixa de haver frescura nesta "noisalhada" que se prolonga por uma hora. No entanto não chega a atrofiar o cérebro nem o ouvido, o que já não é nada mau nos dias que correm. Há dias assim.

Gracias Conejo!

terça-feira, 9 de março de 2021

I was not a pop star in 2015

No "underground" nacional há sempre pequenas pérolas que vão sendo ignoradas (passado), redescobertas (presente) e ignoradas outra vez (futuro). Não não vamos entrar nessa que "vai tudo correr bem", bandas como os Volcano Skin não tem hipóteses contra os paus da MMP. 

Os três machos cis dos The Great Lesbian Show continuaram na música e criaram estes Volcano Skin (homenagem ao resto da pele da circuncisão do Mr. Spock!?) que lançaram um EP e dois CDs em regime de auto-edição. O EP 7" de estreia (2012) já dizia o que iria acontecer, que viajariam com os mapas errados. E é o que acontece, não é preciso invocar o Svenonius para gozar com este trio, no sentido que o norte-americano diz que as bandas Rock fazem discos em que as canções não passam de um apanhado de coisas sem coerência. É esse o pecadilho do álbum a few moments of sleeping and waking (2015) que tem momentos altos e médios sem chegar a um sítio concreto. Ouve-se restos de Great Lesbian Show, Pop Dell Arte quando era bom nos anos 80 (Constantinople Street), Jorge Ferraz (Fauno), algo tradicional, loucura Pumf, entre o Pop/Rock e o Post-punk (a capa é homenagem à Factory?), a canção e o recital musicado com textos irónicos para toda a sociedade pós-industrial, só que... Não sei acaba por ser cansativo pela falta de norte, que se suporta melhor num EP do que num "LP". Apesar de ninguém se lembrar já de 2015 este álbum deveria estar nas listas que a imprensa costuma fazer de melhores do ano. Ah! Acho que eles falam do "Blake & Mortimer" não quererem ter filhos mas se calhar não percebi bem.

Quanto ao segundo disco a solo de Karlon - o verdadeiro Carlão, não confundir com aquela putinha que se vende à McDonald's e às empresas de apostas em linha - intitulado Meskalina (Kreduson Produson; 2015) é bom apenas naquilo que se propõe, ou seja, um disco de Hip Hop. 
Como não? Karlon sempre se destacou como um MC brutal em Nigga Poison e só os hipsters branquelas que há alguns anos andaram a discutir publicamente em linha quem era o melhor rapper português, é que o poderiam esquecer - ou nem saber que ele existe! Claro! Afinal ele dá-lhe em  "krioulo" e os velhos hábitos da "inteligência" portuguesa ignora essa existência. 
Longe dos mil caminhos sonoros de Nigga Poison, Meskalina é Hip Hop puro mesmo que tenha uma boa amplitude de beats ecléticos que amortizam o cansaço que álbuns deste gênero musical comportam. Não será a despedida de Karlon ao Hip Hop mais formal, sem a abertura fantástica que fará no excelente Passaporti, ele voltará ao Hip Hop em Tinha k Ser (2020). Acho mesmo injusto quer Nigga quer Karlon não serem maiores...

segunda-feira, 8 de março de 2021

Nódoa Negra


Projecto vencedor da edição deste ano do concurso interno, Toma lá 500 paus e faz uma BD (2018), a antologia Nódoa Negra reúne as participações de doze autoras: Bárbara Lopes, Cecília SilveiraDileydi FlorezHetamoé, Inês Caria, Inês Cóias, Marta Monteiro, Mosi, Patrícia Guimarães, Sara Figueiredo Costa, Sílvia Rodrigues e Susa Monteiro.

No nosso imaginário a Dor pertence ao campo físico, neste pensamento associamos sempre o nosso corpo a um estado de dor físico e facilmente nós esquecemos que existem vários níveis de dor, entre eles, a dor emocional/ psicológica, que por sua vez, ocupa o mesmo peso que a dor sentida fisicamente. Assim, partindo da vontade de trabalhar a plasticidade da temática da dor e de querer perceber os vários entendimentos ao seu respeito, foram convidadas onze artistas e uma escritora, que partilham a paixão pelo desenho, a banda desenhada e a ilustração, para que através do seu olhar e desenho/ escrita, reflectissem sobre a dor. Ao longo da antologia, será perceptível que cada artista tento tido como ponto de partida a temática geral da dor, escolheu desenvolver graficamente uma dor específica: do parto, do confronto com o outro, dor menstrual, de amar, da solidão, de esconder a dor, da ausência, do luto, do crescimento, de alma...

NN

Curiosamente e historicamente esta poderá ser a primeira antologia de autoras coordenado exclusivamente por autoras. Isto é, apesar de alguns números especiais de revistas, fanzines ou livros de "BDs no feminino" que apareceram nos anos 90 (G.A.S.P. ou Azul BD3) e no novo milénio (Quadrado #3 / 3ª série, Allgirl'zine e QCDA #2000) estas publicações não foram organizadas pelas próprias autoras como acontece no presente projecto vencedor.

NN

19º volume da Colecção CCC. 138p. p/b, 16x23cm, capa a cores, edição brochada. Coordenação, design e capa por Dileydi Florez. Contra-capa: Marta Monteiro. Projecto apoiado pelo IPDJ
In Portuguese with English translation. 

NN

Historial: 
lançamento no dia 18 de Outubro 2018 na ZDB com exposição de originais e apresentação por Catarina Cardoso (Portuguese Small Press Yearbook) ... Apresentação na BD Amadora 2018 dia 10 de Novembro, com presença de algumas das autoras seguido de sessão de autógrafos... nomeado para Prémio de BD Alternativa no Festival de BD de Angoulême 2019 ... artigo de Pedro Moura na Mundo Crítico com BD sobre o livro por Dileydi Florez ... exposição no Festival de BD de Beja de 29 Maio a 16 Junho 2019 ...

O livro está disponível na loja em linha da Chili Com Carne e na Tigre de Papel, Linha de Sombra, Sirigaita, BdMania, Tasca Mastai, Matéria Prima, Utopia, ZDB, Mundo Fantasma, Kingpin BooksLAC, Stet, Bertrand, Snob, Livraria do Simão (Escadinhas de S. Cristóvão), A Vida Portuguesa, Tinta nos Nervos e Fábrica Features.
BUY @ Le Mont-en-L'air (Paris), Neurotitan (Berlin), Quimby's (Chicago), Ugra Press (Brazil)

NN

Feedback:

um livro-barómetro no feminino sobre a dor
Amanda Ribeiro in P3 / Público

O título é duro (...)
João Morales in Time Out (Lisboa)

ontem li o Nódoa Negra. é tão bonito que até dói, meu. a história da Patrícia Guimarães é incrível. parabéns! 
Francisco C. (por e-mail)

São testemunhos no feminino, são força, são ruído, são rasgos de agitação num panorama - ainda - pouco dado a movimentos bruscos. A primeira antologia totalmente construída por autoras em Portugal é muito mais do que uma afirmação, é a casa de uma intimidade que fende tabus e nos mostra que a existência inevitavelmente dói.
Tiago Neto in Vogue Portugal

Um livro sobre dores que desenham e escrevem num mais difíceis exercícios...
Inês Fonseca Santos in Todas as Palavras (RTP)

Tive conhecimento desta edição enquanto folheava um dos últimos números da Vogue. Como a recepção do livro na imprensa também passava pelo P3, Time Out e por um programa de TV apresentado por uma das tipas do Câmara Clara, tudo indicava que se tratava de mais um livro do ano. São só autoras a fazer este livro e ao que parece esta ideia surgiu da Dileydi Florez, que há uns anos tinha desenhado o Askar, o General, em tempos em que a associação Chili Com Carne estava imbuída por um espírito de masculinidade militar. Mas isso foi lá atrás, agora a associação pugna diariamente pelos direitos dos mais fragilizados pela ideologia dominante no tardo-capitalismo: entre essas figuras encontra-se a mulher. A premissa para o livro é interessante e tem um importante significado político: não há espaço na edição de banda desenhada para mulheres, por isso é preciso arregaçar as mangas e pôr mãos à obra. Quando estamos à espera que a bd da organizadora deste volume seja, então, um grande manifesto feminista, eis que termina com dois enormes paradoxos: primeiro, ao escrever que se alguém tiver uma vida mais consciente está a dar um passo para sofrer menos, Florez parece estar a preparar uma sólida carreira como autora de manuais de auto-ajuda; segundo, a bd termina com o salvamento da mulher frágil pelo seu príncipe encantado, desvirtuando a ideia da autonomia feminina. No entanto levanta um problema importante que será transversal a todo o livro: o corpo e a sua vulnerabilidade. (...) Mas o sofrimento também se revela de outras formas e é aqui que o livro se transcende (...) é também o sufoco provocado pelo assédio doméstico que acompanha o crescimento da futura «dona-de-casa» - eufemismo para «escrava da família patriarcal», se puxar do meu jargão a transbordar de ideologia. É este o tema dos «Bons costumes», de Sílvia Rodrigues. A Nódoa negra beneficia ainda de uma multiplicidade de linguagens gráficas, destacando-se a manga da Hetamoé e a arte bruta da Inez Caria (...) há ainda a contribuição da Susa Monteiro, que me parece estar cheia de referências eruditas à arte contemporânea, ou então mostra apenas a tristeza profunda de um tenista que não consegue jogar ténis contra um cavalo. A fechar o livro, a Patrícia Guimarães colabora com a melhor bd do volume, não só porque ataca o importantíssimo tema da apatia provocada pela rotina quotidiana, como estiliza a narrativa num daqueles puzzles de deslizar peças, como que a dizer que a efemeridade da arrumação é mera ilusão e que o próprio caos é só mais um episódio da organização da vidinha. Mas a vida é só pathos? Não: a Cecília Silveira diz que também há espaço para minetes e para fisting com luvas de boxe, como que a lembrar que o sexo falocêntrico é também uma forma de violência e de exercício de poder sobre o corpo feminino.
Russo in A Batalha

(...) o muito interessante Nódoa Negra.
Jornal de Letras

NN

Ficam aqui algumas páginas:

Bibliografia das autoras na Chili Com Carne: 
MASSIVE (2009) c/ Marta Monteiro
Destruição ou BDs sobre como foi horrível viver entre 2001 e 2010 (2010) c/ Sílvia Rodrigues
Boring Europa (2011) c/ Sílvia Rodrigues
Futuro Primitivo (2011) c/ Inês Cóias, Sílvia Rodrigues e Susa Monteiro
Mesinha de Cabeceira #23 : Inverno (2012) c/ Sílvia Rodrigues
QCDA #2000 (2014) c/ Hetamoé e Sílvia Rodrigues
- Askar, o General (2015) de Dileydi Florez
Malmö Kebab Party (2015) c/ Hetamoé
QCDI #3000 (2015) c/ Hetamoé
Maga : Colecção de ensaios sobre Banda Desenhada e afins (2015) c/ Hetamoé
Lisboa é very very Typical (2015) c/ Dileydi Florez
- Anarco-Queer? Queercore! (2016) de Rui Eduardo Paes, c/ Hetamoé
- Pentângulo #1 (2018) c/ Cecília Silveira e Dileydi Florez

segunda-feira, 1 de março de 2021

Isola-te com Conceptronica


Parece que a música electrónica chata que se faz agora se tiver acoplado um livro ou um video-clip enorme pode ser chamado de "conceptronica". DJ Balli já é "conceptronica" há bués. Além de ser um "mash up" ambulante, desde que lançou os livros Frankenstein 8-bit e, no ano passado, Sbrang Gabba Gang não tem parado de fazer "shows" e discos envolvidos com os "conceitos" (temas) desenvolvidos em cada um dos livros. Do "Franky" já se tinha escrito aqui e agora eis Music to Make Human Pyramid With (2020), lançado pela Mokum, a maior editora de Gabber e Happy Hardcore.

Música duplamente funcional, para dançar nas pistas de dança inexistentes nesta "timeline" em que aconteceu o covid - quem lê isto sabe perfeitamente que existe outra realidade paralela em que o mundo continuou sem a pandemia mas dominado por reptilianos Q-Anon, venha o Diabo e escolha! - e para, como avisa o título, é música para criar pirâmides humanas, uma prática social e ritualista que vem dos fins dos tempos quando estes começaram (ah!?) e que chegam aos dias de hoje seja nas piscinas do hotel Allgarve com os badalhocos dos ingleses ou numa discoteca italiana com os Hardcore Warriors.

Sendo Gabber não esperem que vão deixar de ouvir foleirada tirolesa com batidas fortes e rápidas de Techno Hardcore. Numa faixa ouve-se um sintetizadores dignos dos E.E.K., noutra vozes do Futurismo italiano (faixa extra no vinil 12") e siga pra bingo!

à venda na shop da Chili Com Carne.