segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Amazonas do Avant-guarde Russo, plágio, arte degenerada, churrascão Tupinamba, Heavy Metal, nada fixe,...

Já está distribuída pelo mercado livreiro esta revista de alunos, ex-alunos e professores da escola Ar.CoNa realidade a publicação está à venda, já há algum tempo, desde que foi lançado, na loja em linha da Chili Com Carne e na BdManiaGateway City Comics, Kingpin BooksLinha de Sombra, Matéria PrimaMundo Fantasma e Tasca Mastailojas estas, que estão a apoiar este projecto que tem o segundo número este ano.

Também encontram à venda na Tigre de Papel, Sirigaita, Archi Books (livraria da Fac. de Arquitectura de Lx), Snob, ZDBYou to YouBertrand, Tabacaria Graziano e Baptista (R. da Madalena), Legendary Books, LAC, FNAC, XYZ, A Vida Portuguesa e Livraria do Simão (Escadinhas de s. Cristóvão, Lx),...

capa de Daniel Lima

PENTÂNGULO é uma publicação anual que mostra resultados de uma parceria entre a Escola Ar.Co e a Associação Chili Com Carne, que aqui unem os seus esforços criando um novo projecto editorial.

Este tem como objectivo conferir visibilidade ao trabalho de novos autores cuja formação tenha sido feita no curso de Ilustração e Banda Desenhada do Ar.Co. Numa relação saudável de partilha entre nomes consagrados e estreantes, a iniciativa conta com a participação de alunos, ex-alunos e professores.

O Departamento de Ilustração/BD do Ar.Co tem vindo a por em prática um modelo pedagógico que privilegia as aplicações específicas da ilustração e banda desenhada em relação ao mercado editorial, tendo para o efeito realizado parcerias com várias entidades ao longo dos seus 18 anos de existência. A Chili Com Carne - e a sua "irmã" MMMNNNRRRG - foi um dos parceiros com quem o departamento colaborou, como o atestam as publicações Brincar com as palavras, Jogar com as palavras, em 2002, e mais recentemente O Andar de Cima de Francisco Sousa Lobo, álbum realizado no âmbito do Ano Europeu do Cérebro, em 2014.

É na sequência destas colaborações que estas duas associações se juntam novamente, para afirmarem os seus lugares próprios na produção de banda desenhada nacional.

Neste primeiro número colaboram Amanda Baeza, Anna Bouza da Costa, Cecília Silveira, Carolina Moreira, Daniel Lima (capa), Dileydi Florez, Francisco Sousa Lobo, Gonçalo Duarte, Igor Baptista, João Carola, João Silva, Luana Saldanha, Martina Manyà, Mathieu Fleury, Pedro Moura (como argumentista e crítico), Rafael Santos, Rodolfo Mariano, Sara Boiça, Simão Simões, Stephane Galtier, colectivo Triciclo e Vasco Ruivo.

...

Exemplos de páginas:
...

Historial: Lançamento oficial no dia 27 de Fevereiro de 2018, na Ar.Co, com presença especial de Francisco Sousa Lobo que lança também o seu livro Master Song, 65º volume da colecção mini kuš! (da Letónia) ... nomeado para Melhor Fanzine na BD Amadora 2018 (???) ... nomeado para Prémio de BD Alternativa no Festival de BD de Angoulême 2019 ... Ilustrações de Dileydi Florez seleccionadas para BIG - 2ª Bienal de Ilustração de Guimarães 2019 ...

...

Feedback  o que me bateu mais foi a bd da Cecília [Silveira] Churrascão tupinamba tá foda sim! o Rodolfo Mariano não desenha bds, na verdade o que ele faz é abrir portais cósmicos para outras dimensões, gosto bastante do imaginário que construiu e da ideia de a morte ter andado com o tempo ao colo. Também curti especialmente da parte do João Carola sobre abstraccionismo, e acho a primeira página do Nada fixe [da Luana Saldanha] muito muito fixe. A segunda também 'tá fixe mas a primeira 'tá demais. não sei quem é o João Silva mas granda maluco, faz me lembrar algumas bds portuguesas que lia em fanzines nos anos 90... será? e claro as duas ultimas bds [de Stephane Galtier e Francisco Sousa Lobo] estão um mimo. David Campos (por email)

(...) Neste primeiro gesto, o tema foram as mulheres artistas dos vários movimentos das vanguardas estéticas do início do século XX, sobretudo russas. Mas haverá igualmente oportunidade para envolver ainda, como é o caso, os professores ou antigos alunos, que poderão ir conquistando maior ou menor espaço na paisagem editorial destes campos. Com efeito, encontrarão aqui trabalhos de autores como Rodolfo Mariano, Cecília Silveira (com uma peça a um só tempo divertidíssima e politicamente forte), Vasco Ruivo, Dileydi Florez (uma peça visualmente soberba), (...) e Igor Baptista, cujos nomes têm já lugar nos circuitos de fanzines ou da edição independente, e conhecidos dos leitores mais atentos. Francisco Sousa Lobo, antigo aluno, dispensará apresentações, dada a sua fortíssima presença e produção na "cena" nacional. (...). Procurem! Pedro Moura in Ler BD

Esta BD do João Silva no Pentângulo é um luxo! sensacional André Ruivo (por e-mail)

A malta que faz banda desenhada é claramente o lumpenproletariado da literatura portuguesa: não têm consciência de classe e pouco contribuem para fazer mexer a economia (uns são académicos, outros são funcionários públicos; uns recebem o certificado de artista oficial do regime, outros andam à procura de chapas de zinco para o seu projecto musical pós-industrial; uns fazem zines e alimentam-se a médias no Banco, outros banqueteiam-se alarvemente à quinta-feira no Cais do Sodré), prescindiram do seu potencial revolucionário para transformar a sociedade (preferem ir a mais uma feira de edições independentes do que picar o ponto em mais uma manif pela habitação), são indisciplinados (há dois anos que anda a ser prometido um livro de bd sobre a anarqueirada do 18 de Janeiro e nem vê-lo) e, claro, são desprezados por marxistas. 
Talvez por ter sido guetificada e marginalizada pelo mercado editorial em Portugal, forçada a pedinchar por um cantinho nas livrarias e nas feiras do livro generalistas, a banda desenhada é o género literário mais vivo cá no burgo. Alguns leitores atentos poderão dizer: «Companheiro Russo, que tens a dizer sobre as ilustrações que têm saído na _______ (completar com o título de qualquer revista medíocre de poesia)? Ou aquela banda desenhada que saiu no aborrecido, porém vanguardista, Le Monde Diplomatique versão tuga? E estás a esquecer-te das participações nos jornais de grande tiragem?» Compas, tudo isso são adornos e adereços que servem para enriquecer a palavra pobre, arrastando a banda desenhada para uma condição subserviente, retirando-lhe a sua legitimidade enquanto género literário autónomo. Como se os mortos-vivos quisessem comer a carne aos vivos, arrastandoos para a sua condição cadavérica. 
A edição deste primeiro Pentângulo mostra que a vitalidade de um género literário passa pela sua renovação, por dar espaço à publicação da malta nova. Mas não se trata de editar os novos só porque são novos, mas principalmente porque têm um olhar sobre o mundo que é deste tempo. Isso percebe-se logo pelas bds do João Carola sobre a desconstrução estética do supermatismo e construtivismo russos ou as do Simão Simões e da Amanda Baeza que exploram a imagética do informe. Desta antologia saiu também o desdobrável «faça você mesmo o seu ditador», do Mathieu Fleury (...) Ah, e ainda levam com um bónus em forma de bd do Francisco Sousa Lobo! Quem diria que seriam os déclassés a abanar a chafarica provinciana dos literatos? Russo in A Batalha

"Mas com uns pós modernos nada complicados / Sentimo-nos realizados"

 


Tanto adquirem "fofuras" como cartas eróticas

Dank je!

segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Continua a publicar...

 


Foi uma semana de galhofa graças à virtual mas pouco virtuosa "Feira Gráfica". O que suspeitava, confirmou-se, a vida está noutros sítios, até nos mais insuspeitos. Ou como ontem, por exemplo, ao ser lançado o Skate Snake Zine #1 que cagou bem de alto para as donzelas ofendidas de um meio que se tornou sebento, vendido e burro. Invés de se apresentar no dito evento, este novo zine A5 dedicado ao skate invadiu um espaço da EMEL abandonado para lançar-se com um cobertor no chão e uma caixa cheia de exemplares. Juntou uma grupeta para umas bujas, conversa animada e "skatar". Duvido que o editor e colaboradores sequer pensaram na "Feira" e esta relação neste texto pode parecer despropositada. Não é. Tudo o que a "Feira" tentou defender do mundo editorial independente falhou pela sua estrutura paternalista e vertical. Num "não-lugar" o SSZ concretizou um ideal de independência, liberdade e criatividade em poucas horas, assim na descontra à tarde daquele dia da semana em que nada acontece na "grande capital". Inspirado noutras publicações estrangeiras como a Skateism move-se para discussões fora da machismo associado a este desporto justamente para reflectir noutras práticas, estéticas, corpos e o confronto do espaço público - para isso até gamou uma BD que saiu no jornal A Batalha
Nunca "skatei" - nessa tarde ia dando um trambolhão que me ia por de cama de certeza, o que fez terminar para todo o sempre qualquer tentativa de voltar a meter os pézinhos numa prancha com rodas - mas olhando e lendo o SSZ há aqui "food for brain" inesperado para leigos como eu. Num ano de lodo existencial ver este projecto e outros que aparecerão sem ajudas institucionais, preguiçosas e gananciosas, dá-me muita esperança no futuro da edição "indie", o ano ainda não acabou! 
Obrigado, "cobrinha"!

domingo, 11 de outubro de 2020

I say buzz buzz buzz


Os Role-playing Games (RPG) são jogos para nerds? Acho que sim mas o que mais interessa neste fenómeno que começou nos anos 70 com o famoso Dungeon & Dragons (creio que isto bateu em Portugal nos finais dos anos 80) é o facto de poder ser subvertido e transformado, tipo open source. Num RPG não só se pode improvisar bastante ao jogar mas também se pode criar novos jogos ou complementos a jogos já existentes. 

The Insectiary (Games Omnivorous; 2020) é um livrinho A6 amarelo tusa impresso a vermelho pintarolas e é um directório de insectos improváveis e muita-fodidos que pode afectar quem estiver a jogar. De autoria de André Nóvoa com ilustrações de Pipo Kimkiduk - este é o segundo livro, o primeiro foi pela defunta MMMNNNRRRG - devo dizer que "não tenho nada a declarar" em relação aos textos sobre os bichos. São divertidos, sim, mas sei lá se é uma cena que funciona quando tiver a matar um ogre? Já sobre os desenhos, mando daqui uns elogios pela sua podridão total, tipo Mike Diana, Roy Tompkins, Glen Head and all that jazz dos alternativos norte-americanos dos anos 90 - ou até o italiano Claudio Parentela. Duvido que alguma vez irei usar o livro para o seu destino original - para complementar jogos marados - mas ei-de ver um dia destes outra vez as moscas mutantes e vespas viscosas só porque é o que se faz com um graphzine. E é isso, a abertura dos RPG pode dar para fazer um objecto editorial independente da sua habitual subcultura ou até um disco como aconteceu este ano com o excelente Death Jungle Robot, um LP-tabuleiro-ambiente de trópico-rock editado por esta mesma editora. Muito curioso, tudo isto, ainda me apanham um dia vestido de mestre de cerimónias e a criar modelitos de castelos com bruxedos!

sexta-feira, 2 de outubro de 2020

ccc@feira.da.festa


Uma selecção de livros nossos e da defunta MMMNNNRRRG estarão neste evento de edição independente (dentro da Festa da Ilustração em Setúbal) pela mão e cabeça e tronco e o resto do corpo do associado Gonçalo Duarte

Agradecimento especial ao R.S. que passa a vida a convidar-nos para eventos e que lhe estamos sempre a dar-he a boca!

Espero chegar em breve / metade da edição esgotada e na Alquimia



Novo número (#28) do zine Mesinha de Cabeceira e outra vez com o Nunsky!!!

Edição Nunsky Comics com o apoio da MMMNNNRRRG
44p. p/b, 16x23cm
ed. brochada, capa a cores em cartolina texturada

disponível na nossa loja em linha e na 

Nunsky (1972) é um criador nortenho que só participou no Mesinha de Cabeceira. Assinou o número treze com 88 considerada única no panorama português da altura (1997) mas também nos dias de hoje, pela temática psycho-goth e uma qualidade gráfica a lembrar os Love & Rockets ou Charles Burns. O autor desde então esteve desaparecido da BD, preferindo tornar-se vocalista da banda The ID's cujo o destino é desconhecido. Nunsky foi um cometa na BD portuguesa e como sabemos alguns cometas costumam regressar passado muito tempo...

Desde 2014 que este autor regressou à BD e com toda a força: primeiro com Erzsébet sobre a infame condessa húngara que assassinou centenas de jovens na demanda da eterna juventude, e em 2015 com Nadja - Ninfeta Virgem do Inferno, verdadeiro deboche gráfico entre o Hair Metal de L.A. dos 80 e a distopia do RanXerox.

Agora apresenta este um belo trabalho sobre um homem que recupera consciência do seu sono criogénico a bordo de uma nave especial. A Inteligência Artificial não consegue reparar o problema e Kemmings vê-se obrigado a manter-se acordado mas fisicamente paralisado durante dez anos da travessia sideral. Como a maior parte da obra de Philip K. Dick (1928-82), este conto questiona o que é ser humano e o que é a realidade.



Feedback 

O isolamento criativo dos autores, mesmo numa cena incipiente como a portuguesa, poderá dar francos frutos. Num curto período, o elusivo Nunsky, que havia apresentado uma fulgurante mas fugaz novela com 88 (...) há 20 anos, regressou para apresentar toda uma bateria de trabalhos acabados, coesos, densos, inteligentes e graficamente vincados, cada qual com a sua própria personalidade de humor, género, tradição, e exigência de leitura. (...) Apesar do tema ser claramente a do cerne que torna um ser humano tal coisa, isto é, a teia da identidade, a verdade é que as implicações filosóficas mais tipificadas de Dick não deixam de se fazer sentir imediatamente. (...) A adaptação do conto pelo autor português é fiel, precisa, quase extrema, quase ipsis verbis, mesmo, (...) Apesar dos desenhos de Nunsky serem reconhecíveis como tal, com a sua austera e sólida figuração, notar-se-á de forma evidente que a assinatura do traço acompanha um registo distinto daquele de Erzsébet e de Nadja, seguindo métodos de artes-finais particulares. O uso de linhas paralelas para marcar as sombras, a oscilação entre momentos melodramáticos, de poses estáticas e construções simbólicas – a recorrente apresentação simultânea do rosto de Kemmings tal qual no seu semi-sono criogénico e a sua consciência interna acordada (usada de forma excelente e retro-psicadélica na capa) - , faz recordar muitas das assinaturas clássicas que emergiram nos comics de terror e de ficção científica da EC Comics (...) Em 41 pranchas, a densidade intelectual de Dick (chamar isto de “ficção científica” somente é falhar o alvo) e expressiva de Nunsky unem-se para apresentar uma soberba novela. 
...
Melhores livros de BD de 2016: Nunsky é cada vez menos um cometa na BD nacional, (...) afirmando-se como um dos mais relevantes autores no panorama nacional. Que se mantenha sempre presente. 
Gabriel Martins in Deus Me Livro
...
(...) A obra é uma deliciosa inversão da IA perseguidora, trocando os papéis: quem inflige o terror é o protagonista a si mesmo. (...) Nunsky demonstra, uma vez mais, a sua qualidade, ao adaptar-se ao estilo e exigências da história, com uma cuidada estruturação da narrativa e uma adaptação de estilo. Nos momentos em que isso é exigido, o autor dança entre a sombra e a luz, num equilíbrio que já o caracterizava na adaptação da depravação de Erzsébet (...) Este autor português consegue a proeza de justificar o seu regresso, insistindo em ser um dos melhores a trabalhar na 9.ª Arte. 
Acho que Acho
...
Nunsky trabalha de forma brilhante, com o traço grosso e o uso do negro a iluminarem com as suas qualidades opressivas
Jornal de Letras
...
Nomeado Melhor Álbum, Argumento e Desenho no Comic Con 2017
...
Nomeado Melhor Álbum, Argumento e Desenho nos Troféus Central Comics 2017
...
Por onde anda este (bom) autor? (...) Ah, gostei também bastante da capa (incluindo a textura do papel).
Jorge Ferraz (por email)

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

E se fizéssemos uma tatuagem? na Alquimia


novo livro de contos de Rafael Dionísio
...
com ilustrações de João Silvestre
...
uma co-edição Chili Com Carne e Sulfúria
...

E se um livro de "short stories" nos levasse de volta aos mil novencentos e noventas?
 E se Alcindo Monteiro ainda fosse vivo?
E se Timothy Leary pairasse sobre a serra de Sintra?
E se este fosse o novo livro de Rafael Dionísio?
 Pois é.

...


à venda na nossa loja em linha e na Leituria, SirigaitaMatéria PrimaUtopia, Oficina (CIAJG), A Vida Portuguesa, LAC (Lagos), Círculo das Letras, Distopia, Escriba, Espuma dos Dias, Hemus, Livraria Ler, Menina e Moça, Multinova, Fonsecas, Tigre de Papel, Kingpin Books, Alquimia e Linha de Sombra.

...

Historial: 

lançado a 13 de Julho 2019 no Espaço Misturado com apresentação de Ricardo Nunes 
... 





fotos de Afonso Cortez