sábado, 18 de fevereiro de 2017

ccc@GENTRIFORNICAÇÃO


Vamos estar neste evento da Nariz Entupido: Semana após semana não há edifício que, sob o pretexto de requalificação, não esconda uma expropriação ou uma especulação. Com ele actividades com história, que conformam as vivências de um bairro, que permitem a convivência geracional. O Palmeiras no Chiado, o Pirata nos Restauradores serão os exemplos mais significativos, porque agarrado a cada laje vêm histórias aos magotes. E muitos outros edifícios que a um ritmo diário vão sendo transformados e na maior parte das vezes aniquilados. Exemplos não faltam. 

Outro que vai desaparecer é o Lusitano Clube. Clube centenário, paredes meias com a muralha da Sé e vizinho das casas de fado de Alfama dará origem a apartamentos de luxo. A Nariz Entupido organizou aqui vários concertos - Jennifer Castle, Medeiros/Lucas, Hannah Epperson + Paper Beat Scissors, Viking Moses + Daily Misconceptions, ICH BIN N!NTENDO. Não poderíamos dizer não ao convite do Lusitano para organizar um último concerto. Tudo isto surgiu de uma proposta ao Nuno Afonso que decidiu abrir discussão a mais artistas, em forma de colectivo; os amigos responderam e assim se ergue a Gentrifornicação. Um título que tem tanto de irónico como de chamada de atenção. Tanto de despedida como de alerta. Mais uma associação que fecha, mas que longe de ser uma inevitabilidade, deverá ser ponto de partida para mais discussão, para acções concretas, para mostrar que a ideia de um pretenso futuro se faz por um caminho de sentido único.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

NEURO-TRIP na Books & Records Megastore by Largo

    

Antologia de Ilustração e BD de Neuro, autor romeno que começou a sua carreira artístico com o grupo "The Church" numa procura iconoclasta. Devido às suas raízes ortodoxas Neuro explora as imagens dessa Cristandade fundindo citações de Terence McKenna, super-heróis parasitários, Mechas bacterianos, decorações freaks provando para quem ainda não sabia que nada é Sagrado no Milénio da Banda Larga. Este é o seu primeiro livro, verdadeiro meta-portfolio de imagens alucinantes.
...
160 páginas 16,5x23cm p/b + vermelho; capa a preto, vermelho e prateado, 500 exemplares, ISBN: 978-972-98527-9-4
...
algumas páginas:

...
Historial : Lançado na Festa Laica, Trem Azul em 2011 ...
...
PVP: 15€ (50% desconto sócios CCC, lojas e jornalistas) à venda na shop da CCC, Matéria PrimaAnthony Frost Libreria Englesa, Jumatatea Plina, Fábrica Features, Mundo FantasmaStaalplaatUtopia, Objectos MisturadosNeurotitanLetra Livre, XYZ BooksLambiekOrbitalBlack MambaTigre de PapelBooks & Records Megastore by Largo e Seite Books.
...
Feedback : Cool stuff Aleksandar Zograf ... Nice drawings in the Neuro trip book! Reminds me a bit of Blair Wilson's work. Marcel Ruijters ...

Break Dance na Books & Records Megastore by Largo


Break Dance
de
André Ruivo

28º volume da MMMNNNRRRG, co-editado com The Inspector Cheese Adventures
Design: Jorge Silva / Silva Designers
120p A4 a cores, 18,5x28,5cm, capa a cores
ISBN: 978-972-8515-31-7

Apoio: Delta Cafés

PVP: 18€ (30% desconto para sócios da CCC), à venda na loja em linha da Chili Com Carne, Linha de Sombra, El Pep, Pó dos Livros, Nouvelle Librairie Française, Artes & Letras, Mundo Fantasma, Distopia, Matéria Prima, livraria da Fundação Serralves, Bertrand, Letra Livre (ZDB), Tasca MastaiCAPCUtopiaBlack Mamba, Tigre de PapelIt's a BookBooks & Records Megastore by Largo e Inc.

\\\

André Ruivo regressa com um terceiro livro de desenhos - se ignorarmos os vários volumes mais modestos no mundo dos fanzines e edição de autor que entretanto saíram - desta vez sob chancela da MMMNNNRRRG

A parceria com esta editora de "só para gente bruta" parece óbvia, os desenhos de Ruivo exploram um grafismo descomprometido e espontâneo que só se encontra no mundo da Art Brut

Neste grosso volume aparecem dezenas de desenhos que tropeçam na flânerie de Ruivo pelas ruas de Londres com o gozo estético Ruivo pelo Yellow Submarine e o gosto pelos gestos mundanos à Tati. Daí que no livro de folhas de cadernos pautados e quadriculados cabem todas extravagâncias e absurdos, de homens-canídeos-vestidos-vai-chover, burkas-para-fumadores, swingers-pouco-convictos, gente-desconfiada-armada-em-mimos, enfim uma multidão de personagens anónimas que ninguém quererá abordá-las - nunca!. 

Parece ser um livro "fixe" mas não é! A MMMNNNRRRG só edita má onda... e se calhar este deveria ser o nosso segundo slogan!

Feedback: 

I like it a lot. a true/false sketchbook 
Jean-Christophe Menu

Liberdade! Coisa única para o homem e respectiva sobrevivência. É esta a demonstração oferecida pelo recente livro de André Ruivo. Break dance. Mas tomem atenção, muita atenção! Não leiam estas ilustrações como desperdício infantil que ocupa muito do espaço psicanalítico da Arte com redes paternalistas de segurança ou acusações iradas contra um passado qualquer. As páginas finais, suspensas nos traços compactos de esferográfica preta, são dessa história prova e redenção! As pontes executadas pelos traços, ilusoriamente descomprometidos e insconscientes, lançam para dentro de nós as hifas de um futuro que gostamos de ter na mão. Doa a quem doer! 

Lançamento na Flur no dia 8 de Dezembro 2015

Ruivo continua na sua exploração de abarcar o mundo, uma página de cada vez. Há algo de infantil nesta espécie de alegria em ocupar uma folha com um desenho e nada mais, declará-lo terminado e passar ao próximo. Todos em papel pautado, estes desenhos são criados a esferográfica, lápis ou lápis de cor, e quase sempre de figuras isoladas, umas paradas, outras em movimentos. Retratos, talvez, de personagens que misturarão alguma capacidade de observação do autor às mais estranhas idiossincrasias das pessoas reais e uma boa dose de inventabilidade no momento do próprio desenho. Para o final do volume, ao invés de transeuntes sob a forma de semi-palhaços ou amantes de camisolas de lã tricotadas e coloridas, começam a ocupar mais espaço personagens de fartas cabeleiras, cobertas com mantos, capas, burkas, sacos de plástico ou surgindo em silhueta, em manchas cada vez mais envolventes de esferográfica preta riscada com alguma intensidade (é visível o volume imposto ao papel, embolado, pela acumulação de linhas e tinta). 

Break Dance é uma galeria de seres humanos ou representações pós-humanas. Nós os monstros humanos. Uma edição da MMMNNNRRRG, do editor alternativo com mais anos de teimosia de banda desenhada e de ilustração, também amado e conhecido entre nós como pior desenhador do mundo. 
Alice Geirinhas (via Facebook) 

Um conjunto de desenhos onde predomina o traço espontâneo, riscado e colorido sobre papel pautado ou quadriculado, que resulta das deambulações do autor pelas ruas de Londres. Depois de várias incursões pelo mundo dos fanzines e da auto-edição, André Ruivo regressa aos livros e volta a confirmar o seu valor no panorama da ilustração e da banda desenhada portuguesas. 

4 estrelas  

Para lá das referências que emergem sob um olhar atento (Robert Crumb, Philip Guston, Kafka, Robert Balser, criador dos terríveis Blues Meanies do filme Yellow Submarine, de 1968), há uma que salta do papel: a cultura urbana. As actuações de breakdance de rua sempre me fascinaram. Os movimentos quebrados, repetitivos, quase máquinas, a deformação do corpo. Acho que os breakdancers apanham bem uma certa loucura dos gestos repetitivos quotidianos, das pessoas mecânicas”. 


um caderno de desenhos de André Ruivo, muito bem recriado na sua espontaneidade construída, e no qual se retratam, de forma independente, diversas personagens claramente humanas em diversas actividades, mas distorcidas até ao limiar do grotesco. As distorções parecem indicar, quer interpretações impressionistas do autor sobre pessoas eventualmente reais, e de como se expõem/ escondem/ revelam em público, quer uma vertente libertária de experimentar a forma humana sem explicações. Individualizadas, é inevitável no entanto que a sequência de ilustrações sugira ao leitor um retrato global. Se sobre as figuras representadas, se sobre o autor seria outra discussão.
Jornal de Letras

 \\\

PREVIEW:
...

sobre o autor: 

nasceu em 1977 em Lisboa onde reside. Licenciado em Design de Comunicação pela FBAUL. Colaborou como ilustrador para o Público, O Independente, Combate, Visão, Ler e Op. Tirou Mestrado em Cinema de Animação pelo Royal College of Art em Londres, Inglaterra (Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian) e realizou os filmes A Fantasista (2003), Art (2005), A First year Film (2005), A Second year Film (2006), Januário e a Guerra (2008), It´s Moving (2010), O Dilúvio (2011) e O Campo à Beira Mar (2014).

Como músico é mais conhecido pela banda Rollana Beat e editou dois discos a solo. Editou o fanzine Camaleão (1993), participou nas CriCa Ilustrada com ilustração e BD, fez a capa de Algumas Pessoas Depois (de Rafael Dionísio) e participou no Futuro Primitivo com BD e música. No dia 1 de Abril 2012 foi lançado o livro Mistery Park, um caderno de desenhos realizados em Londres em 2006, pela Chili Com Carne e The Inspector Cheese Adventures.

Bibliografia: Sleuth Hound Song = A canção do cão raivoso (colecção 7", The Inspector Cheese Adventures; 1998), Bug (col. Imagens de Bolso; Bedeteca de Lisboa; 2001), Biblioteca (The Inspector Cheese Adventures; 2011), Mystery Park (colecção CCC, Chili Com Carne + The Inspector Cheese Adventures; 2012), Gangsters (The Inspector Cheese Adventures, 2012), Há uma altura do dia (The Inspector Cheese Adventures; 2014), Breakdance (MMMNNNRRRG + The Inspector Cheese Adventures; 2015) colectivos: Ilustração Portuguesa (Bedeteca de Lisboa; 1998-2004), Mis primeras 80.000 palabras (Media Vaca; 2002), Futuro Primitivo (colecção CCC, Chili Com Carne; 2011)

Pornografia para intelectuais na Books & Records Megastore by Largo



Uma antologia sob a curadoria de microworkers

 HARVESTED de Ilan Manouach é baseado em conteúdos encontrados, uma selecção arbitrária de filmes adultos. Foi inteiramente criado por um conjunto orquestrado e bem afinado de rotinas planeadas, scripts da web e tarefas baseadas na inteligência de enxame. O material deste livro foi reunido por um grupo descentralizado de parceiros e foi filtrado por uma população anónima de “microworkers”.

O livro naturalmente tornou-se numa co-produção com vários editores, a saber: MMMNNNRRRG (Portugal), Forlaens (Dinamarca), Hálice Hálas (Suiça), La Cinquième Couche (Bélgica), Topovoros (Grécia), Fortepressa (Itália), Ediciones Valientes (Espanha), Pachiclon (México) e Bitterkomix (África do Sul).

Mais de dois mil filmes adultos foram colhidos em grandes quantidades de sítios em linha p2p directamente para um servidor. Seguindo dois scripts diferentes, os primeiros 10 minutos dos vídeos foram despedaçados em milhares de imagens de baixa resolução no formato JPG à espera de serem filtradas. Este lote de imagens foi submetido a serviços de crowdsourcing que permitem coordenar inteligência humana aplicada a tarefas que os computadores ainda não conseguem fazer. Um grupo seleccionado de “microworkers” foram recrutados para filtrarem estas milhares de imagens de acordo com uma instrução conscientemente vaga: se nelas apresentavam ou não arte contemporânea.

Esta “Colheita” mostra-nos à superfície quinhentas obras de arte encontradas em casas, estúdios, cenários de filme e outras heterotopias da indústria de filmes adultos. Se esta antologia dá importância a um contexto de história da arte de uma indústria específica, ela também se posiciona simbolicamente na necessidade em activar uma visão periférica no que toca às práticas escopofílicas.

Se as pinturas do IKEA são penetrantemente dominantes, podem-se encontrar trabalhos de mestres modernos como um rapinanço de Fernand Leger, um desconhecido Joan Miró, Castelo e Sol de Paul Klee mas também obras contemporâneas como Quote, 1964, uma impressão de Robert Rauschenberg, uma série de pinturas de Mark Rothko, School of Fontainebleau de Cy Twombly e até algumas réplicas de Frank Stella e Lucio Fontana.







à venda na "shop" da Chili Com Carne e nsa lojas El Pep, Letra Livre (ZDB), Linha de Sombra (Cinemateca), Purple Rose, Artes & Letras, XYZ Books, Livraria do Simão (Escadinhas de S. Cristóvão), Nova Livraria Francesa, Tigre de PapelBar Irreal, UtopiaBooks & Records Megastore by LargoStet e FNAC.


Feedback: 

A pornografia normalmente é uma coisa aborrecida e repetitiva - apoiada pelo Vaticano. Neste caso ao procurar a "arte contemporânea" nas fotografias tudo se transforma, cada fotografia acaba por se transformar em arte, que belas composições com mamas e pilas, mas onde as mamas e as pilas não são mais do que um dos elementos destas belas composições! 
Goran Titol (via e-mail) 
... 
um interessante livro, cínico q/b no seu ponto de partida. Espero que esgote para continuares a encheres as nossas prateleiras de livros. 
Paulo Mendes (via e-mail)
... 
Altamente! 
Benjamin Brejon dos Mécanosphère (via e-mail)
...
Livre tout d’arrière-plan, livre d’art dissimulé dans un livre de cul. La fameuse idée qui devient livre. Pour la faire exister. Et une fois chose faite, du livre, que vit-on? toujours la même perplexité. Ni vraiment bon ni vraiment nul, une expérience éditoriale de plus pour Ilan dont je me prends quand même à rêver qu’il revienne à la bande dessinée, discipline dans laquelle il est infiniment plus singulier que dans celui dit de l’art contemporain (typologies évidemment purement sociales : la bande dessinée EST un art contemporain). En gros: je suis perplexe.


Sobre o autor:


Artista complexo e activista underground, o grego Ilan Manouach (1980) licenciou-se em Bruxelas em Belas Artes tendo feito até hoje uma carreira diversificada em conteúdos e conceitos, a começar pela sua extensa bibliografia e discografia - para além disso é músico caso a imagem ainda deixe dúvidas...

É o autor responsável pelo livro Harvested, editado em Portugal pela MMMNNNRRRG, que lançou para o mundo o conceito de "pornografia para intelectuais". A maioria dos livros tem sido publicados pela editora belga 5e Couche, desde 2003 com Les lieux et les choses qui entouraient les gens désormais que não passou despercebido logo pela crítica. A lógica dos seus livros é uma simbiose entre a BD e a Arte Contemporânea, não faltando le scandale e as polémicas sendo que a mais conhecida será a impressão "pirata" de Katz - livro que substitui as cabeças de todas as personagens de Maus de Art Spiegelman por gatos, tendo como desenlace a destruição física do livro por ordem judicial.

No último Festival de BD de Angoulême apresentou o Shapereader, uma BD baseada em impressão tridimensional para leitores cegos.

Participou em exposições colectivas na Bedeteca de Lisboa e no Festival de BD da Amadora, para além de ter sido publicado os livros A vara do açucar da meia noite e nos bordos dos peixes (Opuntia books; 2008) e Variações sobre o anjo da história : ensaio de Walter Benjamin inspirado por Angelus Novus (um desenho de Paul Klee) (Montesinos; 2012), este último com texto de Pedro Moura. Também participou na antologia de desenho MASSIVE (Chili Com Carne; 2010).

Em Portugal Manouach já nos visitou várias vezes como músico e artista - da última vez no Festival de BD de Beja mas em Maio deste ano veio como músico para concertos em parceria com Jonas Kocher, com o projecto Exhaustion, desenvolvido com o objectivo de explorar as possibilidades de permutações seguindo a estratégia da exaustão como necessidade de validação. O seu jogo instrumental é construído numa arquitectura mental onde são exploradas as relações horizontais / verticais, densidades / drones, tensão / aborrecimento, numa relação bi-polar elástica que expande a linguagem da livre improvisação até ao limite.

Malus @ Books & Records Megastore by Largo



Malus de Christopher Webster (MMMNNNRRRG; 2005)

108p. 17x26cm p/b, capa dura 2 cores
ISBN: 972-98527-4-X
PVP: €12

Originalmente editado entre 1995 e 1997 em 4 números no formato fanzine pelo autor - que nos visitou em 2000 durante o "Zalão de Danda Besenhada" - Malus foi finalmente compilado em livro pela editora de "material bruto" MMMNNNRRRG no original - em inglês mas com tradução em português. Obra de ritmo alucinado de influências tão diversificadas - é comparada tanto ao Akira como a Frank Miller como a David Lynch - que criam confusão aos mais puristas. Será uma história de Ficção Científica? de Super-heróis? Um conto de fadas entrópico? Uma sucessão de factos orgánicos?
Algumas páginas aqui.

Interessante BD por capítulos, da autoria de Chris Webster in Catálogo Expofanzines, Xornadas de BD de Ourense Cocktail do melhor de todas as escolas de BD: a europeia, a americana e a japonesa. Nas secções de cartas comparam (Malus) a tudo que é BD «e não só…» deste mundo: Ted Mckeever, Akira, Jack Kirby, Mazzuchelli, Eraserhead de David Lynch, Paul Pope, Bladerunner… in Mesinha de Cabeceira + feedback aqui.


À venda na loja da Chili Com Carne, LAC, BdMania, Fábrica Features, El Pep, Tasca Mastai, Mundo Fantasma, NeurotitanGosh Comics, OrbitalLambiek, Sarvilevyt, FNAC, Dead Head ComicsBooks & Records Megastore by LargoTigre de Papel e Seite Books.

sobre o autor: estudou pintura, trabalha actualmente da Tate Gallery, frequentou aulas de BD com o famoso David Lloyd (desenhador de V de Vingança de Alan Moore) e teve vários trabalhos publicados em Inglaterra, EUA e Japão (para a importante Kodansha).

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Nubes de Talco / Bruma / Brume

Nubes, Brume e Bruma lado a lado...

Em Novembro de 2016 a autora Amanda Baeza esteve no Graf Madrid onde apresentou o livro Nubes de Talco, edição da prestigiada Fulgencio Pimentel, sendo uma colectânea em castelhano de vários trabalhos seus realizados entre 2013 e 2016.

Entretanto a autora esteve no último Tenderete a representar a Chili Com Carne / QCDA... E em MARÇO sairão as novas versões deste livro em português (versão mais alargada que cobre o período de 2012 a 2016) pela Chili Com Carne na colecção Mercantologia e uma versão reduzida em inglês pela pequena-mas-pujante Kuš! da Letónia, serão intituladas de Bruma e Brume, respectivamente.

Eis imagens das provas da gráfica





...

E de Espanha... bons casamentos:


Siempre se mantiene una constante en su narración, que es igualmente antinaturalista. Es decir, lo que se cuenta no es una reconstrucción de su recuerdo como si la estuviera reproduciendo de un modo objetivo, desde fuera, siguiendo un modelo de narración neutro y cinematográfico. Las escenas no responden a una lógica, porque Baeza parte de una certeza que muchos otros autores autobiográficos soslayan: los hechos tal y como sucedieron se han perdido para siempre y son irrecuperables. ¿Qué queda, entonces? Las emociones, las imágenes deformadas tras años de anidar en nuestro cerebro, a veces algo inconexas. Baeza no reconstruye lo que pasó, sino la impronta que dejó en ella. Es una autobiografía emocional, por inventar algún palabro que alcance a explicar un poco su trabajo. The Watcher 
... 
Artigo na Cactus 
... 
El deslumbrante debut de Baeza (...) Autobiografía de vanguardia para el siglo XXI. Melhor de 2016 / The Watcher

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Os 500 paus de 2016


Os cinco membros do Juri desta edição do concurso interno da CCC, Toma lá 500 paus e faz uma BD já decidiram sobre o projecto vencedor! 

O vencedor é Pinheiro-Bravo (título provisório) de autoria de Tiago Baptista, futuro livro de 50 páginas a publicar no final do ano na Colecção CCC, que trata da Greve Geral de 18 de Janeiro de 1934.

Uma sinopse possível segundo as palavras do autor:
Cresci numa aldeia perto de Leiria e quando era criança para irmos à praia passávamos geralmente pela Marinha Grande. O meu pai costumava contar, quando parávamos nos semáforos, que ali naquelas ruas tinha sido a primeira vez que tinha visto mulheres a conduzir bicicletas, ou pelo menos várias ao mesmo tempo. 

Eu era uma criança sem noção de que a Marinha Grande era um forte centro da Esquerda em Portugal devido ao grande número de operários naquela zona, sobretudo da industria vidreira. Só mais tarde me apercebi disso e a partir daí vejo a cidade com outros olhos, com respeito, talvez. Bem, as mulheres que o meu pai via, iam para as fábricas trabalhar. Eu imaginava-as vigorosas, cheias de energia, decididas. Emancipadas. Sei eu agora que era isso que pensava, mas não conhecia a palavra nem o seu significado. 

Esta imagem ficou marcada na minha cabeça! Há poucos anos tropecei, por acaso, num livro sobre uma Greve Geral que houve, ou que foi convocada em Portugal, durante o Estado Novo, a 18 de Janeiro de 1934. Em 1933 há uma "salarização" dos sindicatos que passam para o domínio do estado, face a isto é convocada uma Greve Geral. Essa Greve foi um fracasso, a maior parte dos dirigentes sindicais, anarquistas e comunistas são presos e alguns deles vão inclusive estrear o Campo de Concentração para presos políticos no Tarrafal em Cabo Verde. 

 A partir daqui tento desenvolver, uma estória do que aconteceu na Marinha Grande, contando com alguns documentos e teses do que se passou. Não se assegura a realidade dos facto. Este não será um documento válido para estudo catedrático. É uma pequena homenagem.





Foram entregues dezasseis propostas, a maior participação de sempre desde que começamos a promover este concurso em 2013, sendo que o nível médio da qualidade das propostas é bastante aceitável.

A maioria do Júri inclinou-se para o trabalho de Baptista por tantas razões que tornaria este acto de oficialização do vencedor deste concurso num ensaio! Invés dos argumentos fúteis (forte documentação e pesquisa, percurso do autor e a sua qualidade gráfica e narrativa, obra inédita e tema político) preferimos dois aspectos que são mais sólidos como a abordagem poética do autor sobre um tipo de trabalho que normalmente se insere na categoria de "BD Histórica" e pela ousadia do autor em querer reavivar episódios revolucionários nacionais que vão sendo saneados com as ideias tolas de que as revoluções em Portugal devem ser pacíficas ou feitas nas redes sociais.

A Associação Chili Com Carne agradece a todos os sócios que participaram nesta iniciativa, em especial aos que pagaram a sua quota anual e permitiram o prémio monetário - relembramos que actualmente as quotas anuais dos sócios tem como objectivo financiar o concurso "Toma lá 500 paus!" invés de serem apenas um mero pequeno investimento para o consumo com descontos das nossas publicações.

Esta iniciativa tem o apoio do IPDJ e relembramos que graças a este concurso foram publicados quatro livros, a saber: O Cuidado dos Pássaros / The Care of Birds (vencedor de 2013) de Francisco Sousa Lobo, Askar, O General de Dileydi FlorezO Subtraído à Vista de Filipe Felizardo e Acedia (vencedor de 2015) de André Coelho.


foto: Catarina Domingues
Tiago Baptista (1986, Leiria) licenciou-se em 2008 em Artes Plásticas na ESAD nas Caldas da Rainha onde começou a publicar fanzines em 2005. Em 2006 fundou a editora Façam Fanzines e Cuspam Martelos onde publica trabalhos seus no fanzine Cleópatra, e na forma de colectivo no fanzine Preto no Branco.
Vencedor do Prémio Aquisição Amadeo de Souza-Cardoso 2015 e do Prémio Fidelidade Mundial Jovens Pintores em 2009. Das suas exposições destacam-se em 2016 Obscuro ver, Edifício do Banco de Portugal, Leiria e Questionamentos, Palácio Vila Flor em Guimarães e na Sala de Arte Joven em Madrid; em 2015 A pequena realidade, Galeria 3+1, Lisboa; em 2013 Prémio EDP Novos Artistas, Fundação EDP e Casa da Música, Porto, Under the influence of, João Cocteau, Berlim; em 2012 Tem calma, o teu país está a desaparecer, Galeria Zé dos Bois, Lisboa; em 2011 Guimarães Arte Contemporânea 2011, Palácio Vila Flor e Laboratório das Artes, Guimarães; em 2010 A culpa não é minha - Obras da Colecção António Cachola, Museu Colecção Berardo.
Em 2013 participou na residência artística da Culturia em Berlim e desde 2010 está em residência artística na Galeria Zé Dos Bois.
Em 2012 a publicação Fábricas, baldios, fé e pedras tiradas à lama co-editada pela Oficina do Cego e pelo colectivo a9)))) ganhou o Prémio de Melhor fanzine do Festival Amadora BD, que compilava bandas desenhadas suas feitas entre 2008 e 2012. Participou na antologia Zona de Desconforto da Chili Com Carne.

Bibliografia
- Fábricas, baldios, fé e pedras tiradas à lama (Oficina do Cego + a9)))); 2012)
- Stalker (col. O Filme da Minha Vida, Ao Norte; 2015)
- Imagem Viagem (col. Toupeira, Bedeteca de Beja; 2016)
colectivos: 
- Zona de Desconforto (Chili com Carne; 2014)
- Maga (entrevista, Chili Com Carne + Clube do Inferno + Thisco; 2015)

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Colecção zinefest.pt @ Mundo Fantasma a partir de Sábado!


Ena! Uma exposição da Colecção do Zinefest.pt na Mundo Fantasma. Que fixe! O Porto organiza-se finalmente! Lá estão os nossos Malmö Kebab Party e o Mesinha de Cabeceira... e afirmar que o ZineFest.Pt foi O EVENTO de 2016 no que diz respeito a edição independente!!!

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

The Care of Birds / O Cuidado dos Pássaros - Obra vencedora da edição de 2013 do concurso "500 paus!" na UGRA PRESS


The Care of Birds / O Cuidado dos Pássaros
de
Francisco Sousa Lobo

Obra vencedora do concurso Toma lá 500 paus e faz uma BD! 2013

"Peter Hickey is to paedophiles what birdwatchers are to hunters". Peter Hickey dixit. What is meant by this oblique statement is the crux of this graphic novel. Peter Hickey is a godless catholic perv. Peter hickey has a saint syndrome. "Peter Hickey está para os pedófilos como os observadores de aves estão para os caçadores", assim diz Peter. O possível sentido desta frase obscura forma o próprio cerne deste romance gráfico. Peter é um católico tarado e sem deus com um síndroma de santo.

140p. duas cores 16x23cm, capa duas cores, edição brochada
ISBN: 978-989-8363-32-9
In English with Portuguese subtitles / Em inglês com legendas em português

PVP: 15€ (50% desconto a sócios da CCC, jornalistas e lojistas) à venda na loja em linha da Chili Com Carne e na Pó dos Livros, Artes & Letras, El Pep, Mundo Fantasma, BdMania, Matéria Prima, Letra Livre, Bertrand, Linha de SombraTasca MastaiUtopia e A Vida Portuguesa.
Buy: Neurotitan (Berlin), Orbital (London), Quimby's (Chicago), Dead Head Comics (Edinburgh), Just Indie Comics (Italy), Ugra Press (S.Paulo)...

Historial: Obra vencedora do concurso Toma lá 500 paus e faz uma BD! (2013) ... Lançamento na BD Amadora 2015 ... Lista dos Melhores Livros de 2015 no Expresso ... My Top Ten International Graphic Novels of 2015 (non-UK/North American published originally in English or bilingual) by Paul Gravett ... Best Graphic Novels (Portugal) by Pedro Moura in Paul Gravett site ... Nomeado para Melhor Argumento pela BD Amadora 2016 ... Um dos Melhores Livros de 2016 no Expresso (apesar de ter saído em 2015... weird!) ...

"peeping tom" aqui / here





Feedback:  

Já li o livro do Francisco Sousa Lobo. Gostei, apesar de toda a problemática do pedófilo e de às vezes ser difícil lidar com o que se possa sentir pela personagem (mas pensei que em relação a isso o livro era mais problemático e comprometedor), tem momentos muito bonitos, dos pássaros presos na rede, ele a conversar com as aves, desadequação do personagem ao mundo... e a parte final em que enlouquece (não estaria já louco?) e se deita do chão de cara para baixo à espera de um raio que o fulmine. Achei bastante poético. 

I like its mysteries and allusions, the gaps left in the dialogues, great use of the gaps and faultlines between what we are shown and what we are told.  Congrats, it’s further proof of Francisco's great work and development.
Paul Gravett (by e-mail)

Um dos mais discretos e interessantes autores portugueses de banda desenhada regressa com uma edição bilingue, uma narrativa que revolve as vísceras da natureza humana para as mostrar frágeis e inúteis enquanto conta a história de um homem que podia ser o nosso vizinho do lado. 
Sara Figueiredo Costa in Parágrafo, suplemento de Ponto Final (Macau) 

Desta vez Sousa Lobo debruça-se sobre um dos assuntos mais sensíveis, o da pedofilia. Esta é a história de Peter Hickey, um homem que parece acreditar que “está para os pedófilos como os observadores de aves estão para os caçadores”, um conceito que será explorado ao longo destas páginas naquele que é, sem qualquer hesitação, um dos mais portentosos livros do ano.

Is eager birdwatcher Peter Hickey ‘a godless Catholic perv’ or does he have ‘a Saint syndrome’? Deeply discomforting themes of sin and sincerity are cleverly underplayed and implied. I enjoy the book’s allusiveness, the gaps Lobo leaves in the dialogues, and his great use of the faultlines between what we are shown and what we are told, leaving what is left for us to tease out. “Words can become phantom limbs we never knew we had…”

LE PETIT OISEAU VA SORTIR... The Care Of Birds est un roman graphique de Francisco Sousa Lobo publié initialement en 2014 par Chili Com Carne, une maison d'édition post-psychanalytique portugaise dédiée à la BD et au dessin. Peter Hickey est ornithologue: il a été formé à 9 ans par un homme qui aimait beaucoup lui tenir la main. A présent, à 60 ans, il aimerait transmettre sa passion pour les oiseaux, en tout bien tout honneur. Dans cette histoire, où "les mots sont des membres fantômes", le dessin ne fait que suggérer ce que le langage ne recouvrira jamais. Le personnage principal communique avec les oiseaux, qu'il aime plus que tout étudier en compagnie de jeunes garçons. Les oiseaux lui disent des choses, et semblent lui obéir. L’ambiguïté de ses rapports avec ses petits collaborateurs est développé à la manière d'un malaise onirique, d'une torpeur fiévreuse.
Benjamin Efrati in Droguistes (e-mail newsletter)

The Care of Birds é, sem qualquer dúvida, um livro maior. Um livro que se desprende de toda e qualquer amarra de género e dos mecanismos (narrativos, visuais, estruturais) habituais da banda desenhada, portuguesa ou outra. Um título que não tem qualquer ambição de chegar a “todo o público”, nem sequer de serenar ou emocionar aquele ao qual chegará. A poeticidade de Francisco Sousa Lobo é sofrida, exigente, abole quaisquer consensos possíveis. Sem efeitos de pirotecnia emocional, lê-lo é uma armadilha se se toca a raia dos seus perigos. Difícil, profundo, angustiante, de uma lentidão que não significa tranquilidade, desprovido de quaisquer adornos e de efeitos, The Care of Birds é um jogo de tensões entre o melodrama de um Dostoievsky e a paralisia de um Kafka.
Pedro Moura in Ler BD

Despite its 100-plus pages, The Care of Birds is a tale mostly made of silences and doubts, both of the protagonist and the reader. Peter Hickey is an older man, an accomplished birdwatcher, birdsong imitator and bird draughtsman. But he is assaulted by strange feelings of seemingly innocent friendship toward children, which might be interpreted by many as pedophilia. A profound Catholic, Hickey is at the same time well aware of an uncrossable line but also haunted by sinning, that may or may not have taken place. All the questions that arise from the little plot there exists, if answered, are ambiguous. Difficult, profound, agonising, slow-paced but not tranquil, bereft of adornment and effects, The Care of Birds is a tour de force between Dostoevskyan drama and Kafkesque inaction, making it not only a great book within the Portuguese context but internationally as well.
Pedro Moura in Paul Gravett site


I just red The Care of Birds, liked the how the narration goes and the angle, remind me a bit of Hornschmeier work 
Franky (Les Requins Marteaux)

Spanish Edition in 2017 - for all Spanish language countries

Nomeado para Melhor Publicação Nacional, Melhor Desenho e Melhor Argumento  Central Comics 2016

Se quisermos reduzir Sousa Lobo ao Santo Graal da assinatura do artista, podemos falar num programa que é recorrente no seu trabalho e que envolve estruturas de autoridade, doença mental e perversão. (...) Com um pezinho dentro e outro fora, entrar na galeria de arte ou na igreja com uma BD debaixo do braço continua a ser mais que uma provocação. É um acto de rebelião.
Hugo Almeida in Mundo Fantasma

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

4º Concurso interno de Banda Desenhada da Chili Com Carne § 16 trabalhos recebidos!

A quarta edição do concurso 500 paus recebeu 16 propostas de livros de BD a maior recepção de trabalhos desde a criação deste concurso interno. 

Destes foram aceites 13 trabalhos que o Júri está a avaliar e que anunciará o vencedor no dia 14 de FEVEREIRO de 2017



 A Associação Chili Com Carne lançou a ideia de um concurso para fazer um livro em Banda Desenhada para matar a modorra na cena portuguesa, tendo sido publicados já vários livros como Askar o General de Dileydi Florez e O Subtraído à vista de Filipe Felizardo, trabalhos que participaram no concurso. Em Outubro de 2015 saiu a primeira obra vencedora (do primeiro concurso, de 2013) ou seja, The Care of Birds / O Cuidado dos Pássaros de Francisco Sousa Lobo, que terá uma edição espanhola em 2017.

O último resultado deste concurso foi lançado no dia 6 de Outubro de 2016, ou seja o romance gráfico Acedia de André Coelho, obra vencedora do concurso do ano passado.


Cá estamos de novo à espera de novas aventuras editoriais!






Instruções (não muito complicadas):
Para quem? 
Para Sócios da CCC com as quotas em dia - não é sócio? então é clicar neste LINK.

O prémio é monetário? 
É sim! 500 paus! 500 Euros!
Para além de que o trabalho será publicado!
E, para a próxima edição, o vencedor é convidado a fazer o cartaz e a integrar o júri!

Quem decide o vencedor?
Uma parte da actual Direcção da Associação Chili Com Carne, o vencedor da edição passada e alguns associados, a saber: André Coelho, Filipe Felizardo, Hetamoé, Marcos Farrajota e Ondina Pires.
O Júri reserva-se o direito de não atribuir o prémio caso não encontre qualidade nos trabalhos propostos.

Datas?
5 de Fevereiro 2017 é a entrega dos projectos!
14 de Fevereiro 2017 é anunciado o vencedor!
O livro é publicado em 2018!?

 Regras de apresentação dos trabalhos
- O livro não tem limite de páginas e de formato mas porque desejamos inseri-lo nas nossas colecções já existentes - Colecção CCC, QCDA, LowCCCost, THISCOvery CCChannel - o projecto terá mais hipóteses de ganhar se for apresentado num formato das colecções.
- Preferimos o preto e branco mas a cor não está totalmente afastada!
- Envio do seguinte material:
a) texto de apresentação do(s) autor(es),
b) sinopse do projecto
c) planeamento por fases (com datas)
d) envio de 20% do total da BD, sendo que o mínimo serão 4 páginas seguidas e acabadas e 16 planeadas.
- Todos estes elementos devem ser entregues em PDF, em serviço de descarga em linha (sendspace ou wetransfer) cujo endereço deve ser enviado para o e-mail ccc@chilicomcarne.com

Que projecto pode ser apresentado? 
- Uma BD longa de um autor ou com parceiros
- Um livro com várias BDs do mesmo autor (desde que tenham uma ligação estética ou de conteúdo)
- Uma antologia de vários autores com um tema comum

Boa sorte!
CCC
Este projecto têm o apoio do IPDJ

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

FuTuRo prImItIvO últimos 13 EXemPlares ... fucking mutants!


UMA antologia ____________de BANDA DESENHADA
$$$  de artistas da Associação CHILI COM CARNE
€€€ a saber : :: Lucas Almeida, Ana Ribeiro, Manuel Pereira, João Ortega, Inês Cóias, Daniel Seabra Lopes, Marco
Moreira, João Chambel, Ana Menezes, André Coelho, João Maio
Pinto, Andreia Rechena, Bruno Borges, Rafael Gouveia, David Campos, Sílvia Rodrigues, Pepe

delrey, José Feitor, ________Natália Andrade com Christina Casnellie, Uganda Lebre, André Lemos, Bráulio
Amado, Gonçalo Duarte, Jucifer, Ana Menezes, Afonso Ferreira, Marcos Farrajota, Rudolfo, Ricardo Martins e Pedro Brito, e ainda participações CADÁVERES-ESQUISITOS com Mattias Elftorp
+ Sofia Lindh (SUÉCIA), Cláudia Guerreiro, Filipe Quaresma, Nevada Hill (EUA), Pedro Zamith, Margarida Borges, Jarno Latva-Nikkola
(FINLÂNDIA), Silas, André Ruivo, Rita Braga, Susa Monteiro (BEJA!) e Valério Bindi + MP5 (ITÁLIA)... mis

turados por unDJ MMMNNNRRRG.
\\\
Lançamento e Exposição dos originais no Festival de BD de Beja (28 Maio a 12 de Junho 2011);  CRACK 3D 2011 & HELSINGIN 26. SARJAKUVAFESTIVAALIT (5TH SepTemBER - 1ST OCtoberrr) then M¨¨älmo /ISV (14th October - 4th November) ; TEXXXXXXXXXXXAS ... 666 de April 2012 :;:;:;:;:;:;: PORTLAND at floating world comics 777 june 2012;; BReiZZZIL (808 2012 na PREgO); Barcel0na at FATbottom Books  (marÇho 15thmarch a 11 maio 2013) y SS. paulo no UGRA zine FesT (6-7abril2013).

...
... 160 p.
16,5 x 23cm p/b, capa a cores ... Capa & Design: Margarida Borges ...
Retratos mutantes dos __________________ autores: João Paulo Nóbrega ... apoios da Bedeteca de Beja, Instituto Português de Juventude, Sociedade___________Finlandesa de BD, Sociedade Sueca de BD,
Wormgod e You Are Not Stealing Records.


!!!) à venda na shop da CCC, Fábrica Features, , Munddo Fantasma, §  Letra LIvre (na zzzzzDB) e STAaaaALPLAaaaAT und neuroTITAN yArtes & Letras , RRRRastilhuuu, ELpepe e BLACK_MAMBA_vegan_metal


§§
EXTRAS

Foi feita uma banda sonora (inicialmente para a exposição
entretanto extensível ao livro) com as colaborações de André Ruivo, Somália, J. Ortega, TendaGruta, Te Voy
a Matar, John P-Cabasa,
J
M
P
, Marte &&&&&&&&& Stealing Orchestra, zZZOUNDZZz, Pepedelrey, Rita Braga, Pedro Sousa, Ondina Pires, Cospe,
 _________ Chiby Shit Plan e Assinante 35278/TW ### é gratis e pode ser descarregada em
You Are Not Stealing Records


valerio bindi + mp5


uganda lebre
ana menezes
lucas almeida
daniel lopes
andré coelho
João Chambel

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Sonic Hentai


O imaginário Manga / Anime na Aldeia Global é absorvido de forma subreptícia, por mais que os fachos da Disney e da Marvel (o que significa a mesma coisa desde 2009) tentem sabotar a sua divulgação, a verdade é que o processo é imparável, dos bebés aos adultos todos adoram os olhos grandes das personagens, as linhas cinéticas das BDs e aqueles "stills" psicodramáticos a fingirem movimento. A nível sonoro a coisa é menos óbvia embora a freakalhices do J-Pop já tenha poiso até em Portugal - um submundo fedorento de farçolice e kitsch. Os Atari Teenage Riot verdadeiros terroristas anarco-ecuménicos começaram cedo por samplarem sons dos Animes mas não sei se houve grandes continuações destas ideias. Recentemente encontrei o Yeongrak (da Nova Zelândia, ali perto do Japão) e este italiano Venta Protesix editado no ano passado pela Urubu Tapes.
Ambos projectos musicais remetem para a iconoclastia sonora como se fossem irmãozinhos da "nossa" Camarada Hetamoé. A embalagem da k7 Hello Kitty Box Cutter For Emasculation parece que foi feita por ela com técnicas 3D. Desde já é de referir que a Urubu não só está-se a tornar na editora de k7s mais interessante de sempre em Portugal, pelo catálogo heterogéneo dentro de um espectro "experimental" mas também pelo excelente trabalho gráfico das suas edições. Esta é mais uma prova disso com o seu ar "slick" e plástico cor-de-rosa que faz qualquer fetichista chorar como uma Maria Madalena. A música é que é mera pica-miolos toing-toing, Noise e Glitch já mais do que visto, chato como a potassa sem aproveitar nada dos sons nipónicos como nos é vendida como ideia - se samplou Hentai só se ouve um gemido fofinho algures... Não estamos nos humores de V/VM ou de Vomit Lunchs nem na fantasmagoria de Yeongrak, infelizmente. É daquelas merdas que se ouve uma vez e fica-se a pensar "o que raios vou fazer com esta k7 tão gira?"

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

I'm going deeper underground


Rui Eduardo Paes finalmente é entrevistado pelos nrquists... Estávamos a ver que não! No último número do mítico jornal A Batalha, só falta o Mapa mexer a peidinha para além da tirinha...