quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

CHILI COM CARNE @ Angoulême BD 2020 @ F31, BD Alternative, Nouvelle Monde


Chili Com Carne with nice selection of the best books from Portugal are going to Angoulême Comics Festival / Nouveau Monde venue (one of those big tents). 

See you there, friends!

quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Imprensa...

jornal I

jornal Público

Turma do Cangaço, Nostalgia, Veneza, salário baixo, maridos, LGBTI+ comix, Zé Miau, auto-tripes, Indie 2018, xenofobia, cabeças,...



Eis o segundo número da revista PENTÂNGULO que dá continuidade à parceria entre o Ar.Co. - Centro de Arte e Comunicação Visual e a Associação Chili Com Carne.

 A Pentângulo é uma publicação que confere visibilidade ao trabalho de novos autores cuja formação tenha sido feita no curso de Ilustração e Banda Desenhada do Ar.Co.

Sem hierarquias, nomes consagrados e estreantes, alunos, ex-alunos e professores misturam as suas imagens e palavras numa saudável promiscuidade.

O departamento de Ilustração/BD do Ar.Co tem vindo a pôr em prática um modelo pedagógico que privilegia as aplicações específicas da ilustração e banda desenhada em relação ao mercado editorial, tendo para o efeito realizado parcerias com várias entidades ao longo dos seus 18 anos de existência, entre elas a Chili Com Carne com quem o departamento colaborou desde o início do milénio.

Só com o primeiro número, a publicação viajou com uma exposição pelo Festival de BD de Beja e uma apresentação na Feira do Livro de Lisboa, em 2018. Seguimos para aonde? Nesta segunda entrega além de BDs cada vez mais ousadas, destacamos para o acréscimo de mais textos de reflexão e informação, algo que a comunidade ligada a estas Artes foge ou tenta ignorar, aqui não. Desafio que lançamos, que tal uma banda desenhada que discuta sobre banda desenhada? Quem sabe para um número futuro...

Coordenação editorial por Daniel Lima, Jorge Nesbitt e Marcos Farrajota. Design por Rudolfo. Capa de Nuno Saraiva. Colaboram neste número: Amanda Baeza, Ana Dias, André Pereira, Daniel Lima, Dois Vês, Francisco San Payo, Francisco Sousa LoboGonçalo DuarteJoão Carola, João Silva, Luana Saldanha, Marcos Farrajota, Mariana Pinheiro, Mathieu Fleury, Pedro Moura, 40 LadrõesRodolfo Mariano, Rosa Francisco, Sara Boiça e Simão Simões.

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Apoio do Instituto Português de Desporto e Juventude.

E apoio de distribuição das seguintes lojas BdMania, Gateway City Comics, Linha de Sombra, Matéria Prima, Kingpin Books, Mundo Fantasma, Snob e Tasca Mastai.

Para além das lojas indicadas, também se encontra no nosso siteTigre de Papel, Sirigaita, Letra LivreLAC (Lagos), ZDB, Bertrand, Black MambaTortuga (Disgraça), FNAC, XYZA Vida Portuguesa e Utopia










Historial

lançado no 9 de Abril 2019 na escola Ar.Co. 
... 
obra seleccionada para a Bedeteca Ideal 
... 
artigo no P3 
...
nomeado Melhor Antologia e Melhor BD Curta (de Francisco Sousa Lobo) para os prémios Bandas Desenhadas 2019
...
participação na exposição TPC na Festa da Ilustração, Setúbal, 1-30 Junho
...
Nomeada para Prémio de BD Alternativa Angoulême 2020
...
artigo sobre a nomeação em Angoulême com muitas páginas do Pentângulo #2 no Público 29/01/20



Feedback

Mostrar que a banda desenhada (portuguesa) deve ser colocada por extenso, com o seu nome completo - perdeu a pele juvenil da BD, é uma arte como as outras 
...

(...) o Simão Simões brinca novamente com o imaginário informe e metafórico (há sempre uma candura monstruosa que pede pelos menos mais 100 páginas de material desta qualidade); o João Carola pega em Lacan para pensar sobre o olhar e a contemplação e a relação entre sujeito-objecto na época da transparência (pode ainda encontrar-se um ângulo morto na visão do panóptico digital?) (...) o sofrimento do Zé Miau perante um dos grandes mistérios da nossa época: o contrabando exasperante e o comércio directo e involuntário de isqueiros. Mas o pathos não está só nesta bd da Luana Saldanha; a contribuição do Francisco Sousa Lobo (alguma vez se esgota esta torrente de inspiração?) obriga o leitor a remexer nas memórias do autor, em mais uma excelente bd autobiográfica, na qual está em jogo a religiosidade e o amor, com uma pitada de referência highbrow pelo caminho (desta vez calhou a Kavafis, os bárbaros estão a chegar, afinal não, etc.). Não esquecer as questões de género e a rebelião contra o despotismo patriarcal: a Rosa Francisco desenha uma bd a partir de um conto de Pessoa e a Ana Dias revela a amargura de quem vive com homens que coleccionam edições do Admirável Mundo Novo, vestem t-shirts de bandas (Motörhead, a sério, não estou a inventar) e ouvem post-rock. Tudo isto em 2019. 
(...) O que é mais curioso no meio de tudo isto é que uma revista costuma sempre armazenar algum lixo e ser desigual, mas esta Pentângulo consegue escapar a esse problema. Mesmo os três textos têm toda a sua pertinência: o Pedro Moura escreve sobre a obsessão dos literatos pela nostalgia e o Marcos Farrajota ensaia duas resenhas históricas sobre as bds LGBTI+ em Portugal e acerca das fanzines e edições independentes publicadas cá no burgo durante o ano passado. (...)
Russo in A Batalha

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

PARÍ PARTY


Vai ser a festa de lançamento do primeiro romance gráfico de Gonçalo Duarte ... 
nos 
Anjos 70, Quinta-Feira, dia 23 de Janeiro!

Vai haver bateria de Ricardo Martins
maquinaria de Simão Simões
uma sessão de unDJing de MMMNNNRRRG
e até um vulcão surpresa!

21º volume da Colecção CCC
Publicado pela Associação Chili Com Carne

Gonçalo Duarte (1990, Setúbal) é guitarrista em Equations e Live Low, impressor em serigrafia na Oficina Loba e autor de banda desenhada, que desde 2010 participa em antologias da Chili Com Carne, a saber Destruição ou BDs sobre como foi horrível viver entre 2001 e 2010Futuro PrimitivoViagem de Estudo ao Milhões 2017 e Pentângulo.

No meio desta hiper-actividade, eis o seu primeiro livro a solo! 

Não admira que se sinta nesta obra uma vibração eléctrica, nervosa e onírica, uma leitura universal que nos conta como o espírito individual sai sempre quebrado quando se questiona o urbanismo e a vivência comunitária no século XXI.

fotos de Afonso Cortez

afinal não houve vulcão mas uma casa em chamas! 
Gonçalo Duarte e Simão Simões

segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

Faleceu Nuno Rebocho


      Faleceu Nuno Rebocho, radialista, poeta, escritor, cronista, insurrecto, cabo verdiano emprestado e boémio. Fomos amigos no princípio do milénio. Ele morava em Cascais velho. Conhecemo nos porque ele comprou um fanzine meu e escreveu me uma carta.

     Quando o encontrei chamei lhe "senhor" ao que ele respondeu "não é por ser mais velho que sou um filho da puta". Tipico Nuno. Participei numa revistinha dele "Os Cadernos de Ibn Mucana" e noutras coisas. E em compensação publicámos lhe o "vida de djon de nha bia" na Chili com Carne. Que eu apresentei. A última x que o vi foi há uns anos num lançamento de um livro dele ali ao Calhariz.
O Nuno Rebocho teve vários acidentes graves de saúde nos últimos anos. Depois de um deles encontrei me na Baixa, ele chegado de Cabo Verde. Dois ou três cafés, cigarros, um uísque. Ele gostava dos prazeres. Típico Nuno.


      Ele ultimamente, creio, estava a viver em casa da irmã, Ericeira. Nunca o fui visitar. (O meu pai teve acamado mais de dez anos, o meu avô morreu aqui em casa, a minha irmã também.... o que faz com que me custe mesmo muito ir ver pessoas mal. )

    
       De qualquer modo devo lhe um enorme agradecimento em termos sido amigos. Abriu me a cabeça. e ele interessou se pelo que eu escrevia, mas era sempre frontal. Já não me lembro de qual era o livro que ele disse "é o teu pior livro"; acho que era o Fausto. Mas ele gostava de muitas escritas e das pessoas que escreviam, era generoso nas suas apreciações e nos seus intercâmbios, numa cultura viva de trocas e amizades.

      Ainda apanhamos umas boas bebedeiras aqui em Cascais e em Lisboa. Uma vez à frente de casa dele tivemos uma conversa longa, negra e pesadissima; o desespero perante a sua existência estava extremado. Estávamos também com os copos, claro. Mas felizmente aquilo passou, não parou ali. Estava mal de amores.

       Mas, regra geral ele era muito animado, bem disposto, risonho, divertido, imaginativo, embora critico de tudo "sou um radical do centro". Era desiludido das esquerdas mas enojavam lhe as direitas. Tinha estado preso durante o Fascismo e orgulhava se de ser o jornalista da terceira república com mais processos por parte das entidades patronais. Tipico Nuno

      E era também um amante profundo da literatura, das artes e especialmente da poesia. Ele o que escreveu mais foi poesia, e deve estar muita coisa por publicar.
      Em Cabo Verde casou. Acho que teve um ou dois casamentos cá, antes. Dizia que a mulher é que lhe dava saúde. Tipico.
 
     Olha... Tchau, meu! Espero que agora estejas num arquipélago semi imaginado onde anda o Djon, o Ómi Cabra, a Apòstola e os outros personagens. Um mundo quente de poesia e alegria, onde se bebe umas coisas e se come uma cachupa

Rafael Dionísio 




sábado, 11 de janeiro de 2020