sábado, 29 de setembro de 2018

Luta continua...


Inagura no S´bado, às 15h30 na Casa da Cerca uma exposição de Ilustração, organizada por Jorge Silva, intitulada A luta continua! 140 anos de Ilustração Portuguesa com trabalhos de Alice Geirinhas, André Ruivo, Dorindo Carvalho, Ferreira da Silva, Henrique Manuel, Henrique Ruivo, João Abel Manta, João da Câmara Leme, João Fazenda, João Fonte Santa, João Pedroso, José Vilhena, Manuel Macedo, Manuel Paula, Manuel Ribeiro de Pavia, Oficina Arara, Pedro Cabral, Pedro Zamith, Rogério Ribeiro, Sílvia Rodrigues, Stuart de Carvalhais, Tiago Manuel, Tom e Tóssan.

A Ilustração parece ser arte amável, mais dada à metáfora e à erudição, e montra recatada do talento gráfico do artista, sem gritar ou conspirar na rua. O trabalho duro parece sobrar para os parentes de mau feitio congénito, como o cartune e a caricatura. E no entanto, ao longo dos tempos, muita revolução, muita luta, mesmo surda ou cínica, contra ismos e tiranos, se forjou também na ilustração de livros, cartazes e jornais, militante de causas e sonhos. (…) Esta mostra sintética passeia-se por 140 anos deste pedaço das artes visuais portuguesas (…) - Jorge Silva

Edições nossas estarão lá à venda, aproveitem, algumas são raridades...

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Mystery Park ::: ESGOTADO




Mystery Park, de André Ruivo é o 14º volume da Colecção CCC, edição em parceria com The Inspector Cheese Adventures e com o apoio do Instituto Português de Juventude e Desporto.
ISBN: 978-989-8363-14-5
96p. p/b 16x23cm, capa preta sobre cartolina Pop pistachio 240gr.
...
ESGOTADO talvez ainda apanhem exemplares à venda na Matéria PrimaFábrica FeaturesMundo Fantasma, Staalplaat (Berlim), La Central (Espanha), McNally Jackson (EUA), Orbital Comics (Inglaterra), Neurotitan (Berlim), Rastilho, Objectos Misturados (Viana de Castelo), STET e LAC (Lagos).
...
sobre o livro: pianistas bêbados, patinadores, cães e donos, pássaros, carros, leitores de jornais, polícias-crianças, chá, guitarristas, peixes, rádio a pilhas, fumadores, táxis, mergulhadores, fotógrafos, walkman, robots, índios, gémeos, gatos, namorados, casais, bichos de estimação, semáforos, sem-abrigo, detectives.

Historial: 
lançamento no dia 1 de Abril 2012 nas seguintes coordenadas de GPS: +38° 41' 46.11", -9° 12' 13.04" (Pavilhão Tailandês, Jardim Vasco da Gama em Belém, Lisboa) ...

Feedback: 
(...) personagens desproporcionadas e pelas linhas mirabolantes do contorno, carateriza-se também por um singular gesto de humor e ironia. Mystery Park, que reúne esquissos e desenhos produzidos pelo autor durante o ano de 2006, em Londres (...) são marca de um longo período de trabalho do autor, mas o traço define-lhe um estilo próprio. Este é um livro com histórias alucinadas em imagens e figuras do quotidiano: ora temos carros aerodinâmicos conduzidos por senhores engravatados e homens com múltiplos chapéus replicados, ora temos músicos, crianças-polícias, patinadores, todos com mãos disformes, muitos com semblantes carrancudos e geometricamente narigudos. Gatos e cães e pássaros, detetives e robôs e outras figuras do nosso imaginário partilham páginas com pianistas amargurados e alguns subliminares e provocantes jogos de palavras. Simples, divertido e muito inteligente, Mystery Park é um bom exemplo da qualidade da ilustração que se faz no nosso país e também uma boa oportunidade para introduzir um público mais juvenil a este tipo de desenho menos convencional. 
...
Sublinhemos a ideia de “passeio”, e atente-se à forma como quase todas estas personagens, viaturas ou outras criaturas parecem ser captadas a meio de um qualquer movimento, acção, como se interessasse transmitir acima de tudo algo que apenas vislumbramos mas se distende num tempo impossível de capturar. Talvez seja parte do mistério anunciado no título.

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Caminhando Com Samuel /// NOVA EDIÇÃO (mais bonita, nova capa, mais páginas) / METADE ESGOTADA / na Kingpin Books


Nova edição do livro de bd de Tommi Musturi
pela MMMNNNRRRG

Tommi Musturi é um dos autores mais importantes na Finlândia, e também como dinamizador da BD. Já visitou três vezes Portugal: Salão Lisboa 2005, na Feira Laica 2009 na Bedeteca de Lisboa, onde estava patente a exposição da antologia GlömpX, que participou como autor, comissariou e editou, e recentemente no Festival de BD de Beja (2014). Também já publicou em Portugal na revista Quadrado e no Mesinha de Cabeceira, tendo já um certo culto à sua volta.

Caminhando com Samuel é um livro universal porque a BD é muda (sem palavras), colorida e tão atraente que atinge vários quadrantes de público: o público infantil (embora haja um episódio sangrento), o adulto (que terá trips metafísicas), os colecionadores e os generalistas, os cromos da BD, da ilustração e do street-art (todos irão aprender com a técnica de Musturi), e até os "peter-pans" dos toys terão tesão - é uma promessa séria porque na MMMNNNRRRG sempre fomos muito sérios!
...
160p. a cores, 21x21cm, capa dura
com marcador de fita
...
PVP : 20€ à venda na loja em linha da Chili Com CarneBdmaniaFábrica FeaturesXYZ BooksLa IntegralClose EncountersMundo Fantasma, Matéria Prima, ZDB, Tasca Mastai, Tigre de Papel, Bertrand, FNAC, Bar IrrealBlack MambaUtopia e Kingpin Books.

exemplos de páginas :




...

Historial:

obra seleccionada para a Bedeteca Ideal 
... 
nomeado para Melhor Álbum, Melhor Desenho e Melhor Argumento Estrangeiro para os Prémios Central Comics 
... 
... 
Feedback: 
é muito bom o livro - vou precisar de outro livro porque ofereci o meu 
Travassos (Cleanfeed, Shhhpuma)

um dos nomes de primeira água da banda desenhada finlandesa contemporânea (...) um roadbook cosmogónico onde o olhar da descoberta primordial se mantém até ao fim. Mas onde as cosmogonias (entre elas o Génesis) encenam a criação num tempo recuado e definitivamente perdido, Samuel parece assumir uma condição atemporal, um estado de permanência que o faz atravessar eras, estados de alma e espaços com o mesmo deslumbramento e a mesma disponibilidade para o mundo que trazia no início, quando surgiu por entre a vegetação. (...) Aqui, não há respostas, só deslumbramentos
Sara Figueiredo Costa / Expresso 

(...) não necessita que se diga muito sobre ela. E não é por ser uma bd muda. Nesta edição excelente da Mmmnnnrrrg é uma obra que precisa sobretudo de ser saboreada. Ao som ritmado dos passos 

Dos gelos da Finlândia chega a saga psicadélica do pequeno gnomo Samuel. É a mais relevante edição de BD produzida em território nacional este ano. 
João Chambel (Heróis da Literatura Portuguesa)

But Samuel is not the ultimate Godhead, as we have seen; he is played by a higher hand: Samuel is not just any puppet, he is THE puppet, a perfect in-between character, a mirror of both God and us.

I have been looking at the Musturi comic every day since I got it, so beautiful and imaginary!
Christopher Webster (Malus)

Gramei o Samuel. BD contemplativa. é um equilíbrio bem subtil entre o desenho clínico, o abstraccionismo da história e o uso das cores. Fiquei curioso com a continuação: a recompensa do final acaba por não ser o mais importante aqui (...)
B Fachada

terça-feira, 25 de setembro de 2018

QCDA #1000 [ESGOTADO]


Zé BurnayRudolfoAndré Pereira Afonso Ferreira fazem BD em Portugal (LOL). Cansados de andar por aí cada um para seu lado, a editar a sua cena em formatos betinhos, os Quatro Chavalos Do APOPcalipse decidiram reunir-se sob a benção da editora Chili Com Carne para uma antologia de BD à séria, em que cada um faz mais uma vez o que lhe dá na real gana, mas desta vez em glorioso formato A3. Falamos do QCDA#1000, claro, que reúne quatro histórias de quatro páginas cada, com um alcance de temáticas que vai desde a prevenção do acne existencialista ao comentário da sociedade mágico-equestre contemporânea, passando pela exploração das várias correntes de arquitectura necromântica e pela análise comportamental de altas patentes do exército quando confrontadas com criaturas lendárias.



Capa a cores + 16p. impressas a roxo no formato A3. Design: Rudolfo. ISBN: 978-989-8363-23-7. Apoio do IPDJ e Wormgod. 500 exemplares - últimos exemplares talvez ainda à venda na BdMania, Mundo Fantasma (Porto), LAC (Lagos) e Black Mamba.







Historial : este COMIX/zine/XXL foi lançado no Angoumerde Fuck Off 2014 e em Portugal no Festival Rescaldo ... exposição de originais no Anicomics 2014 
... 
Feedback : uma óptima iniciativa que se devia repetir, regularmente. Faz favor. Planeta Satélite ... Nomeado para Melhor Obra Curta (de André Pereira) pelos Prémios Central Comics 2015

QCDA #1000 [SOLD OUT]


Zé Burnay, Rudolfo, André Pereira and Afonso Ferreira are the 4 most active brats from the new Portuguese breed of Comix authors! Yup! They make comics in Portugal (lol).

Tired of wandering around, self-publishing their stuff in puny formats, the Four Horseykids of the APOPcalypse have decided to unite, under the blessing of Chili Com Carne, for a real comics anthology in which they do what they please (as always), but this time in glorious A3 size.

We’re talking about QCDA#1000, of course, that collects four stories of four pages each, with a thematic reach that spreads from existencialist acne prevention to social commentary on the contemporary magical-equestrian society, while also exploring several varieties of necromantic architecture and analyzing the behavior of certain high-ranked officers of the army when confronted with legendary creatures of lore.

...

Full colour cover + 16 pages A3 format. Design: Rudolfo. ISBN: 978-989-8363-23-7. Supported by IPDJ and Wormgod. 500 copies - last copies can be found still in some good stores like Fatbottom Books (Barcelona), Lambiek (Amsterdam), Ediciones Valientes (Spain), La Central (Madrid), Neurotitan (Berlin), Orbital (London), Quimby's (Chicago) and Seite Books (Los Angeles).







This GIANT/size/COMIX/zine was released in Angoumerde Fuck Off 2014 and in Portugal at Festival RescaldoFeedback : I quite enjoyed the QCDA book! Marcel Ruijters (by e-mail) ... QCDA project, really cool, love it, huge weird hard to place in your bookshelf but great style and pure comics juice Alberto Corradi (by e-mail)

domingo, 23 de setembro de 2018

PUBLICAÇÃO INDEPENDENTE EM PORTUGAL A utopia do impresso no contexto digital


trabalho académico e tal... aqui



ccc@feira.do.livro.do.porto.2018


Voltamos à Feira do Livro do Porto e tal como o ano passado dividindo pavilhão com a editora Blau (especializada em Arquitectura). Estranha mistura que resulta porque até a Chili Com Carne é a única editora de BD presente neste evento... 
ide ao PAVILHÃO 22!!!

domingo, 16 de setembro de 2018

Split-tape Black Taiga + BLEID / últimas 5 cópias & à venda na KAZOO



Talvez a MMMNNNRRRG tenha de mudar o slogan da editora de "só para gente bruta" para "só para gente muda" porque voltou a fazer uma split-tape, outra vez com Black Taiga e desta vez com essa "beata do beat" que é a BLEID!


Black Taiga é o encontro entre um congolês e um português, um foi para a gélida Irlanda mas nunca abandonou o calor africano, o outro queimou-se em Setúbal. Com EPs em linha e em k7 este projecto teve um feedback de sectores inesperados da aldeia Global:

Yes yours it's doom-kuduro but stil pretty core. I like it, nice one!!! ;) 
DJ Balli (Sonic Belligeranza, AAA, Antibothis, autor de Apocalypso Disco)

parece-me Jibóia se tivesse mergulhado num banho de ansiolíticos.!!!! já percebi! Throes + The Shine? Será? Não me acredito 
Fúa (Lovers & Lollipops, Milhões de Festa)

Top das 10 Melhores Cassetes Nacionais pela revista Arte Sonora

Cumbia Rebajada from hell? 

O dito cujo é como que o cruzamento do doom metal satânico escandinavo com o kuduro de Angola, tudo decorrendo muuuuuuuuuuito leeeeeeentameeeeeeeente, com peso de hipopótamo alimentado a papas de sarrabulho. Não se tinham lembrado da possibilidade de tal… como dizer… convergência geocultural, pois não? (...) os Black Taiga, projecto que envolve gente do Congo, de Portugal e da Irlanda (não, não participam suecos nem angolanos). Este ouve-se como se um disco em vinil de 45 rotações fosse passado em 33: até as vozes se arrastam, cavernosas. 



BLEID surgiu em 2015, é um projecto de música digital residente num computador. Com o intuito de percorrer as diversas linguagens nas quais a música electrónica se tem vindo a desenvolver nos últimos anos - como o footwork, o techno, o afrobeat, o IDM - procura explorar diferentes sonoridades a velocidades improváveis numa miscelânea ritmada e esquizofrénica.

...
2 EPs:
- Cristão Casmurro de Black Taiga : três temas de puro Doomduro produzidos por Walt Thisney + um remix inédito e exclusivo desta edição por Bleid
- Voltan de Bleid : um tema de Techno-não-canónico de 23 minutos

edição limitada a 66 cópias.
46m de música.
cartonila vermelha com dois autocolantes impressos em vinilo.
artwork de unDJ MMMNNNRRRG (BT) e Neuro (Bleid)
embalagem por Joana Pires

disponível na loja em linha da Chili Com CarneMegastore By LargoLa Bamba (Ponta Delgada) e Kazoo (Mondim de Basto)


Historial: lançada no dia 10 de Março no Damas com actuações de Bleid, DJ Balli e unDJ MMMNNNRRRG ... 

Feedback: 

tenho em rotação em casa! Ainda ontem estava a ouvir a cena. 
Scúru Fitchádu 
... 

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

ccc@Queer.Lisboa


uma selecção de livros Queer e/ou Eróticos nossos vão estar no Festival Queer Lisboa 2018.

ccc@Unconvention.Contemporary.Tattoo.Festival


A Chili Com Carne não gosta de tatuagens mas as "fora da convenção" curte! 
Por isso, via Oficina Loba, vamos estar presentes com os nossos livros na Unconvention no fantástico Anjos 70.
Ui!

terça-feira, 11 de setembro de 2018

OOM / últimos 10 exemplares


OUT OF MIND de Tommi Musturi

Co-edição MMMNNNRRRG / Mundo Fantasma,
24p impresso em risografia a quatro cores diferentes por planos diferentes.

São 24 desenhos deste autor finlandês directamente do seu irrequieto livro de esboços - de onde já foram editados dezenas de livros até chegar ao gigantesco Beating - a propósito da exposição "Make Life Great Again" do autor inaugurada a 2 de Dezembro de 2017 na Galeria Mundo Fantasma. A viagem do autor foi apoiada pela FILI.



Edição de 250 exemplares. Vendido exclusivamente na loja da Chili Com Carne e na Mundo Fantasma.

OOM is a 24-page risograph zine with thin line improvised illustrations, printed with six colours, edition of 250 pcs, released by MMMNNNRRRG and Mundo Fantasma. 250 Copies limited edition - buy HERE.




A Risografia faz passar a tinta para o papel através de um master perfurado muito frágil, produzindo resultados quase com a intensidade da serigrafia. São comuns pequenos erros de impressão, alguma sujidade e variações entre cada exemplar, tornando cada livro editado desta forma, um objecto único.



domingo, 9 de setembro de 2018

NECROmilhones2018 - 6 a 9 SETEMBRO - dia 7 é NOITE FINLANDESA

cartaz de Ana Caspão

Como já acontece há buésdatempo lá vamos ao MILHÕES de FESTA implantar uma feira de edição independente, a NECROMANCIA EDITORIAL!
V
i
n
d
e
!

e vai haver surpresas do caraguuuu, como a presença da revista brasileira PREGO 
mas
o mais importante será a noite de dia 7 de SETEMBRO que será dedicada à Finlândia, além dos espantosos CIRCLE tocar serão lançadas dois livros da futura defunta editora
MMMNNNRRRG!
e
n
a
!
Falamos do novo livro de Tommi Musturi : Antologia da Mente, uma loucura visual-narrativa que parece ter sido feita por 37 autores diferentes
e
Maximum Troll-On de Benjamin Bergman, compilação total da sue série de "Conanes" minados com cogumelos alucinogénios!
O
M
G
!
moi moi!

Francisco Sousa Lobo @ Berlin Internationales Literaturfestival

Our dear comix author Francisco Sousa Lobo (The Dying Draughsman, The Care of Birds, etc...) is invited for the Berlin Literature Festival for the Graphic Novel Day event, on 9th September, at 12h...

Also his books are available at the festival and in Berlin thanks to cool bookstore Modern Graphics.

Everybody knows that Berlin on Sundays sucks, so: be there or be square!





Links: FSL bio in English or Deutch

sábado, 8 de setembro de 2018

Dos anos 70 à atualidade e Vice-Versa: BD de Nuno Amorim

Dia 8 de Setembro inaugura na melhor loja de BD em Portugal, a Mundo Fantasma, uma exposição de Nuno Amorim, à qual escrevi este texto de apresentação (ver abaixo). Autor da troupe da Visão que, em 2016, a Chili Com Carne recuperou parte da sua obra, pela entretanto esgotada antologia Revisão, temos pena que a nossa ubiquidade não chegue para estarmos presentes na inauguração - estaremos no Milhões de Festa e Feira do Livro do Porto. Fica aqui o aviso para outros visitantes...


Daniel Clowes num suplemento do Eightball #18 (Mar'97) intitulado "Modern Cartoonist" ironizava - penso eu, com os gringos nunca se sabe! - num texto sobre BD que de 15 em 15 anos há um novo fôlego na cena. Basicamente, é preciso que apareça uma nova geração que apreenda e aplique as revoluções realizadas pela geração anterior. Não haveria a "BD Alternativa" dos anos 90 se 15 anos antes não houvesse a "underground comix" e estes não existiriam sem a EC Comics e a revista Mad dos anos 50. Tudo bem, parece justo.

Na edição de 31 de Janeiro de 1973 do jornal &etc, Nuno Amorim (com uns 21 anitos), já trabalhava para o mundo editorial mais sofisticado em Portugal - as Edições Afrodite e a &etc - e num artigo sobre a sua pessoa admite a admiração por Moscoso. Mais tarde, numa situação tão rara como a de 1973 - ou seja, dar tempo de antena a um ilustrador - é entrevistado no livro Editor Contra - Fernando Ribeiro de Mello e a Afrodite (Montag; 2016) e assume mais uma vez as suas influências dos anos 70 - Moebius e Caza, são os autores referidos.

Seja em 1973 seja 2016, os nomes dos autores que ele refere pouco importarão para o público. O estatuto marginal da BD permanece inalterado ao longo destas décadas todas e Amorim, como muitos outros artistas da sua geração e posteriores, "brincou" à BD. Publicou alguns trabalhos, principalmente na seminal revista Visão (1975-76) mas também alguns fanzines e nas publicações das míticas editoras acima já referidas. Como nunca houve uma estrutura económica de subsistência na BD em Portugal, ele parou de fazer BD e foi para outros poisos. Arquitecto de formação, foi director de arte em varias agências de publicidade internacionais em Lisboa, e posteriormente integrou os quadros da RTP, onde foi designer gráfico, realizador e responsável pelo departamento gráfico. Em 1991 foi co-fundador da produtora de cinema de animação Animais, onde é realizador e produtor de curtas metragens e séries de animação. Trabalhou e continua a trabalhar em imagem, área criativa pouco apreciada em Portugal. Um trabalho sujo mas que alguém tem de o fazer! 

A sua criação de BD ficou fechada na década de 70 com os pesos telúricos das influências da altura. Amorim e a malta da Visão tiveram quase todos o mesmo destino. Partiram para outra e foram esquecidos. Um caso ou outro voltou à BD, um ou outro ainda fizeram alguma obra em BD. Como profetizava Clowes, 15 anos depois aparecia uma nova geração de autores a baralhar as cartas - ligados aos zines e às revistas Lx Comics e Quadrado. Mas ao contrário que dizia Clowes, não parece que essa nova geração e as futuras tenham apreendido algo da anterior ou a tomado por base.

A verdade é que em Portugal apesar das suas inúmeras Bedetecas ou livros de História, os autores de BD não ligam ao passado. Empanturrados de hiper-realidade com tons de néon, mutações afrofuturistas, glitches cyberpunks, erotismo digital, risografia a brilhar pós-fluorescência, rocócós bling bling basta reeditar as BDs dos anos 70 como fiz com a antologia Revisão : Bandas Desenhadas dos anos 70 (Chili Com Carne; 2016) que lhes cai tudo em cima! Pá! Afinal os cotas já tinham feito cenas mamadas, meu! 

Se esta, tão apropriada, exposição na Mundo Fantasma se realizar com o título Dos anos 70 à actualidade e Vice-Versa, a Fita de Moebius completa-se. Se a Mundo Fantasma editar a BD inédita “Stoned” nas suas exemplares publicações impressas em Risografia então a Fita de Moebius, ironicamente, estreita-se.

Marcos Farrajota
Lisboa, 15/08/2018

ccc@Warsaw.Independent.Bookfair‎.2018


Here we are again!
8th and 9th SEPTEMBER

terça-feira, 4 de setembro de 2018

"a" maiúsculo com círculo à volta de Rui Eduardo Paes --- últimos 4 exemplares!!! PDF grátis em linha


Muitas vezes, e não em poucos casos abusivamente, o punk foi/é identificado com o anarquismo. Em outra área, são habituais as analogias da chamada "livre-improvisação" com os princípios libertários, mesmo quando quem toca são músicos com perspectivas políticas e sociais influenciadas por correntes marxistas como o trotzkismo e o maoísmo. Seja como for, há mais conexões entre Música e Anarquia do que aquelas que se supõe. Um contributo para o seu desvelamento, tanto quanto para a desmitificação de algumas ideias feitas, está neste novo livro de Rui Eduardo Paes, o segundo do autor na colecção THISCOvery CCChannel, depois de Bestiário Ilustríssimo.

O novo livro de Rui Eduardo Paes relaciona as músicas de hoje (jazz, improvisação, pop-rock, noise, electrónica experimental, música contemporânea) com as novas tendências do pensamento libertário, descobrindo analogias mas também desmistificando ideias feitas. Daniel Carter, Lê Quan Ninh, John Cage, Fela Kuti, Frank Zappa, Thom York (Radiohead) e Nicolas Collins são algumas das figuras retratadas pela escrita analítica e de dimensão filosófica, mas não raro com humor e alcance provocatório, do ensaísta e editor da revista “online” jazz.pt. Entre os temas percorridos ao longo dos 10 capítulos amplamente ilustrados estão o ocultismo, a espiritualidade, a ciência, a ficção científica, a tecnologia, o amor e o sexo, com referência a autores como Robert Anton Wilson, Hakim Bey, Murray Bookchin, Starhawk e Ursula K. Le Guin.

A
O livro é ilustrado por vários artistas da Associação Chili Com Carne: Joana Pires, Marcos Farrajota, André Coelho, Jucifer, Bráulio Amado (acumulando o cargo de Designer do livro), José Feitor, David Campos, Daniel Lopes, André Lemos, João Chambel e Ana Menezes.

A
Edição da Chili Com Carne e Thisco
80p p/b; 16,5x22cm
ISBN: 978-989-8363-21-3


à venda na loja em linha da CCCFlur, Letra LivreMatéria PrimaFábrica FeaturesUtopiaLAC, FNAC, Glam-O-RamaLouie Louie do PortoApop ShopBlack Mamba, Tortuga (Disgraça) e MOB.

A
Historial : lançado em 29 de Maio de 2013, na Trem Azul, Lisboa, com a participação do escritor Rafael Dionísio e do músico Paulo Chagas, seguido de concerto de Shameful Iguana [Luís Lopes: guitarra eléctrica; Hernâni Faustino: baixo eléctrico; Marco Franco: bateria] ...

A
Sobre o autor: Com quase 30 anos de actividade repartida entre o jornalismo cultural, a crítica de música e o ensaísmo teórico, Rui Eduardo Paes é autor de vários livros sobre as músicas criativas. É o editor do site jazz.pt, membro da direcção da associação Granular e autor dos press releases da editora discográfica Clean Feed. Foi um dos fundadores da Bolsa Ernesto de Sousa. Assessorou a direcção do Serviço ACARTE da Fundação Calouste Gulbenkian e integrou o júri do concurso de apoios sustentados do Instituto das Artes / Ministério da Cultura para o quadriénio 2005-2008.

A
os textos estão soberbos e o trabalho gráfico ficou excelente! parabéns a quem concebeu e materializou este objecto literário-gráfico-musical absolutamente único! António Branco 
... 
novo livro traz é que o ponto de vista essencial é o ponto de vista político associado às manifestações estéticas contemporâneas. O título é, de resto, todo um programa de intenções: "A" Maiúsculo Com Círculo à Volta". O anarquismo histórico e as suas formas libertárias de expressão são intercaladas, pelo autor, com múltiplas abordagens a músicos, escritores, cientistas ou artistas multimédia. Um livro que, uma vez mais, prova que o autor rejeita o conformismo de pensamento e ousa analisar novas abordagens, novas relações, novos pontos de vista sobres os fenómenos artístico-culturais-sociais-filosóficos do mundo contemporâneo (...) relaciona as músicas de hoje (jazz, improvisação, pop-rock, noise, electrónica experimental, música contemporânea) com as novas tendências do pensamento libertário, descobrindo analogias mas também desmistificando ideias feitas. Entre os temas percorridos ao longo dos 10 capítulos amplamente ilustrados estão o ocultismo, a espiritualidade, a ciência, a ficção científica, a tecnologia, o amor e o sexo, com referência a autores como Robert Anton Wilson, Hakim Bey ou Murray Bookchin Kubik in O homem que sabia demasiado
...
Dando sequência a uma consistente abordagem político-musicológica, por vezes fraturante e polémica, REP continua a revelar neste novo conjunto de reflexões a lucidez intelectual, a densidade de análise e o rigor enciclopédico que sempre caracterizaram a sua escrita. António Branco in Jazz.pt 
...
4 estrelas (em 5) in Público 
...
Atenção, isto não é apenas um livro: é um perigoso "cocktail molotov" para o cérebro. E, já agora, também para os ouvidos. Nuno Catarino in Ípsilon / Público 
...
ambicioso, extraordinariamente documentado, e uma porta perfeita para teses de maior valor intelectual. Bons Encontros 
...
 No abandonando su sentido del humor, desde la espiritualidad, el sexo, el amor, el ocultismo a temas más de actualidad, la ficción científica, la nueva tecnología (...) Oro Molido