domingo, 30 de maio de 2021

manual prático de uso da CCC (2/6) : edições esgotadas

Ilustração de Nunsky para o esgotado Chili Bean
E quando um livro da Chili Com Carne esgota porque fica tão caro? É para ser mitra ganancioso como aquela gente dos livros de artista!?

Nope!

É verdade que aumentamos sempre o preço de uma edição prestes a esgotar a partir dos últimos 10 ou 20 exemplares mas a razão é que queremos que esses últimos exemplares sejam adquiridos por quem quer mesmo e não para mais um colecionador tarado qualquer que nem sabe o que está a comprar... E é verdade que também é para capitalizar um pouco mais com esses últimos exemplares porque se os nossos livros pagam as despesas de impressão, raramente fazem lucro.

Mas se venderam tudo não era de reeditar? 

O que acontece é que sendo uma estrutura pequena como a nossa não temos capacidade para reedição porque significa voltar a investir dinheiro num projecto em deterioramento de outros novos. Significa também ter que arranjar mais tempo e espaço para armazenar livros. O que poderiam perguntar é porque uma editora profissional não pega nos nossos livros esgotados e nesses autores que deram provas de sucesso?

O que sobra depois de acabar uma tiragem? Tentamos que o livro ainda assim não "morra" totalmente e colocamos em formato digital (PDF) grátis para ser descarregado na plataforma issuu.com e claro há sempre os arquivos públicos que tiveram o cuidado em nos dar guarida: a Biblioteca Nacional é obrigada a tal (é por isso que existe a figura do Depósito Legal) mas podem encontrar a maior parte do nosso catálogo nas Bedetecas da Amadora, Beja e Cascais e nas BLX (são 15 bibliotecas de Lisboa em que destacamos o acervo da Bedeteca de Lisboa por questões óbvias!), em bibliotecas de faculdades como o ISMAT (Portimão), a Faculdade de Belas Artes do PortoFaculdade de Letras do Porto, ou até em galerias como a Perve (Casa da Liberdade). E claro, como os estrangeiros não são nada parvos, também estamos na Fanzinoteca de Poitiers (França) ou na Bedeteca de Estocolmo, por exemplo...

Há sempre hipóteses de encontrar ainda em algumas lojas os títulos esgotados, ou porque há um cuidado extremo em ter sempre tudo acessível como fazem a Mundo Fantasma ou Snob, ou porque os exemplares são metidos em catacumbas-caixotes-máquinas-do-tempo como na BdMania. É de ir lá perguntar se ainda têm o Sourball Prodigy!

2 comentários:

KOE disse...

Hahaha... curiosamente arranjei o Sourball, assim como Mutate & Survive, há uns meses numa Bertrand de Coimbra...

MMMNNNRRRG disse...

sortudo!!! e aposto ao desbarato, não?